quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Eternidade - Poema de Pedro Homem de Mello




A minha eternidade neste mundo
Sejam vinte anos só, depois da morte!
O vento, eles passados, que, enfim, corte
A flor que no jardim plantei tão fundo.

As minhas cartas leia-as quem quiser!
Torne-se público o meu pensamento!
E a terra a que chamei — minha mulher —
A outros dê seu lábio sumarento!

A outros abra as fontes do prazer
E teça o leito em pétalas e lume!
A outros dê seus frutos a comer
E em cada noite a outros dê perfume!

O globo tem dois pólos: Ontem e hoje.
Dizemos só: — Meu pai! ou só:— Meu filho!
O resto é baile que não deixa trilho.
Rosto sem carne; fixidez que foge.

Venham beijar-me a campa os que me beijam
Agora, frágeis, frívolos e humanos!
Os que me virem, morto, ainda me vejam
Depois da morte, vivo, ainda vinte anos!

Nuvem subindo, anis que se evapora...
Assim um dia passe a minha vida!
Mas, antes, que uma lágrima sentida
Traga a certeza de que alguém me chora!

Adro! Cabanas! Meu cantar do Norte!
(Negasse eu tudo acreditava em Deus!)
Não peço mais: — Depois da minha morte
Haja vinte anos que ainda sejam meus!

Pedro Homem de Mello, in "Bodas Vermelhas"

3 comentários:

  1. Minha querida

    Adorei este poema, é um dos mais belos de Pedro Homem de Mello...a imagem está fabulosa.

    Deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  2. Maria minha querida
    A imagem está divina. Gosto imenso deste poema de Pedro Homen de Mello é triste mas mostra a fragilidade do homem.
    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. Pedro Homem de Mello um poeta tão esquecido!

    Pessoalmente gosto muito.

    Beijo

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo