quarta-feira, 5 de outubro de 2011

De quantas graças tinha, a Natureza - Luís Vaz de Camões




De quantas graças tinha, a Natureza

De quantas graças tinha, a Natureza
Fez um belo e riquíssimo tesouro,
E com rubis e rosas, neve e ouro,
Formou sublime e angélica beleza.

Pôs na boca os rubis, e na pureza
Do belo rosto as rosas, por quem mouro;
No cabelo o valor do metal louro;
No peito a neve em que a alma tenho acesa.

Mas nos olhos mostrou quanto podia,
E fez deles um sol, onde se apura
A luz mais clara que a do claro dia.

Enfim, Senhora, em vossa compostura
Ela a apurar chegou quanto sabia
De ouro, rosas, rubis, neve e luz pura.

Luís de Camões




"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de almas grandes e sentimentais." (Voltaire)

6 comentários:

  1. oi minha amiga,

    Camões,
    um príncipe das letras,
    perfeita escolha...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Minha querida

    Um belo poema de Camões e uma linda imagem a condizer, como sempre perfeito.

    Deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  3. Agradeço o seu carinho e a sua visita, na Curiosa.
    Ando tão sem tempo.
    Mas deixei flores para ti no blog.
    Carinhosamente,
    Sandra
    Bjs no seu coração. Pois moras no meu coração, até mais,
    Sandra

    ResponderEliminar
  4. Querida
    Compostura... brio... palavras em desuso... pena!!!
    Bjm de paz e ótimo fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Parabéns pelo seu Blog, estou adorando.
    bjssssss

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo