terça-feira, 16 de agosto de 2011

Entre Março e Abril - Eugénio de Andrade




Que cheiro doce e fresco,
por entre a chuva
me traz o sol,
me traz o rosto,
entre março e abril
o rosto que foi meu,
o único
que foi afago e festa e primavera?

O cheiro puro de só da terra!
não das mimosas,
que já tinham florido
no meio dos pinheiros;
não dos lilases,
pois era cedo ainda
para mostrarem
o coração às rosas;
mas das tímidas, doces flores
de cor difícil,
entre limão e vinho,
entre marfim e mel
abertas no canteiro junto ao tanque

Frésias,
ó pura memória
de ter cantado –
pálidas, fragrantes,
entre chuva e sol
e chuva
- que mãos vos colhem,
agora que estão mortas
as mãos que foram minhas?

Eugénio de Andrade


11 comentários:

  1. Colher flores é uma arte difícil e delicada. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  2. Preciosos versos.
    Llego un dia tarde , felicidades en el dia de tu santo

    ResponderEliminar
  3. Belo poema,do livro 'Coração do Dia.' E como sempre
    imagem bonita a acompanhar...
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. OI Maria!
    Sumi um pouquinho daqui pq a vida me entregou um pepininho meio amargo rssr Admiro essas coisa tão lindas. Dá vontade de ficar o dia todo lendo aqui. Estimula a gente. Parabéns. Passa no meu blog e deixe um recadinho lindo para meu amigo querido. Grata.
    Bj

    ResponderEliminar
  5. Maria
    Lindo demais!!!
    Excelente escolha, como sempre minha amiga.
    beijinho

    ResponderEliminar
  6. Sublime este poema de Eugénio de Andrade!
    Adoro frésias, o seu perfume suave a sua delicadeza...É preciso amá-las, para as poder colher!
    Mil beijos.
    Graça

    ResponderEliminar
  7. Que lindo jardim!Ilustrou divinamente o poema de Eugênio de Andrade.Me vi dentro daquela paisagem colhendo as flores de muitas cores descritas pelo poeta.Valeu! Foi lindo.Um forte abraço e um dia iluminado.Eloah

    ResponderEliminar
  8. Maria, o poema é lindo e a imagem me fez lembrar uma cidade de flores - observe - as espigas de flores parecem edifícios soltos pelas casa mais baixas que são as flores mais rasteiras.
    Lindo isso!!! Abraços

    ResponderEliminar
  9. Que feliz fiquei por encontrar e recordar este poeta que me acompanhou em minha mocidade com tantas poesias lindas, obrigada Maria!
    Gostei muito de sua visita e comentário amiga!
    Bjão da Gena

    ResponderEliminar
  10. Oi Maria! Passando para agradecer a visita e o comentário, e apreciar este lindo poema do Eugênio de Andrade, ilustrado com este jardim maravilhoso.

    beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo