sábado, 21 de janeiro de 2017

O chamado das pedras - Poema da Cora Coralina





A estrada está deserta.
Vou caminhando sozinha.
Ninguém me espera no caminho.
Ninguém acende a luz.
A velha candeia de azeite
de lá muito se apagou.

Tudo deserto.
A longa caminhada.
A longa noite escura.
Ninguém me estende a mão.
E as mãos atiram pedras.
Sozinha...
Errada a estrada.
No frio, no escuro, no abandono.
Tateio em volta e procuro a luz.
Meus olhos estão fechados.
Meus olhos estão cegos.
Vêm do passado.

Num bramido de dor.
Num espasmo de agonia
Ouço um vagido de criança.
É meu filho que acaba de nascer.

Sozinha...
Na estrada deserta,
Sempre a procurar
o perdido tempo que ficou pra trás.

Do perdido tempo.
Do passado tempo
escuto a voz das pedras:

Volta...Volta...Volta...
E os morros abriam para mim
Imensos braços vegetais.

E os sinos das igrejas
Que ouvia na distância
Diziam: Vem... Vem... Vem...

E as rolinhas fogo-pagou
Das velhas cumeeiras:
Porque não voltou...
Porque não voltou...
E a água do rio que corria
Chamava...chamava...

Vestida de cabelos brancos
Voltei sozinha à velha casa deserta.

Cora Coralina

8 comentários:

  1. Siempre encuentras un poema que nos hace emocionar, Maria.
    Un abrazo y buen fin de semana.

    ResponderEliminar
  2. Que bonito! Adorei. Parabéns pela escolha.

    Beijo. Bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso momento querida amiga, desejo-lhe uma noite muito feliz e um maravilhoso amanhecer beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Uma genuína voz poética...!
    Bela postagem, Maria.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Um chamado maravilhoso. Adoro os escritos da Cora Coralina.
    Uma linda imagem!
    Beijos e ótima semana Maria.

    ResponderEliminar
  6. Lindo! Parabéns pela escolha, beijos

    ResponderEliminar
  7. Uma verdadeira delícia descobrir mais um fascinante trabalho de Cora, que muito aprecio...
    Maravilhosa escolha!
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.