sábado, 28 de setembro de 2019

Ao longe os Barcos de Flores




(A Ovídio de Alpoim)

Só, incessante, um som de flauta chora,
Viúva, grácil, na escuridão tranqüila,
- Perdida voz que de entre as mais se exila,
- Festões de som dissimulando a hora

Na orgia, ao longe, que em clarões cintila
E os lábios, branca, do carmim desflora...
Só, incessante, um som de flauta chora,
Viúva, grácil, na escuridão tranquila.

E a orquestra? E os beijos? Tudo a noite, fora,
Cauta, detém. Só modulada trila
A flauta flébil... Quem há-de remi-la?
Quem sabe a dor que sem razão deplora?

Só, incessante, um som de flauta chora...



Camilo Pessanha





7 comentários:

  1. Boa tarde Maria,
    Um poema lindo de Camilo Pessanha!
    Obrigada pela partilha.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  2. Um poema que não chora,
    todavia, também não ri
    poema, do que esse agora
    não sei se melhor não li?

    Tenha uma boa noite e um bom dia de Domingo amiga Maria. Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Uma escolha brilhante.. Amei!!

    -
    Vida ...
    Beijos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  4. Triste sentir de una flauta...quizás con ello disipan los dolores..

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo