terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Soneto XVII - William Shakespeare




Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Ás vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na terna mutação da natureza.

Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás da morte ao triste inverno:

Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos vivos te farão viver.


William Shakespeare



8 comentários:

  1. Preferia lê-lo em inglês.
    Mas está bem assim.

    Beijinho para si!

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria:)

    Que lindo! Adoro o William Shakespeare:)

    Boa quarta-feira!
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Amiga Maria!
    Que bela poesia de Willian Shakespeare!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  4. Magnífico Soneto que apenas um grande Mestre é capaz de produzir.


    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  5. Lindo, Maria. Camões não é só (e não é pouco) os Lusíadas!
    Muito belo este soneto!
    Um beijinho e uma boa noite.
    Ailime

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo