quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Passaro azul - Poema de Fernanda de Castro


(Ai, o Pássaro Azul da minha pena, da minha pena, pena, pena…)

Eu tinha um Pássaro Azul,
Azul como o azul do arco-íris.
Não vivia numa floresta,
não morava numa gaiola.
Não era um pássaro de penas e de sangue.
Também não era um pássaro pintado.
Nem escrito. Nem pensado.




Era um pássaro sentido.
Sentido como os cegos vêem as cores,
como os surdos ouvem os sons.
Era demasiado pequeno para os dedos
mas podia encher uma alma.




O Pássaro Azul cantava,
mas a sua música
era uma grande alegria sem risos,
uma grande luz sem noite.
Em quase todas as casas havia silêncio
e o Pássaro Azul cantava.




Porque não havia em todas as casas
uma flor, uma estrela, um pássaro a cantar?
Não abri a porta da gaiola
porque não havia gaiola,
mas com mãos trémulas de esperança
fui buscar o Pássaro Azul
ao fundo da alma,
e abri as mãos
para que houvesse em todas as casas
uma flor, uma estrela, um pássaro a cantar.




Murcharam, porém, todas as flores,
apagaram-se todas as estrelas,
e o Pássaro Azul,
azul como o azul do arco-íris,
ficou frio e cinzento,
um Pássaro Cinzento
como um pássaro de lua.




Então as mãos,
aquelas mãos trémulas de esperança,
tomaram a forma de tépidas conchas,
de pequenos ninhos de calor,
e o verde,
o verde indeciso das marés,
cobriu de esperança as suas penas.
Era agora um Pássaro Verde,
verde e triste.




Então lágrimas lentas o envolveram,
pesada chuva de alma,
e o pássaro ficou branco.




Era agora um Pássaro Branco,
silencioso e triste.
Como um vento furioso,
a Ira sacudiu as raízes da alma,
da alma onde outrora
morava o Pássaro Azul,
mas o Pássaro Branco
era agora vermelho,
um Pássaro Vermelho e assustado,
pesado de solidão.




Então o desespero murchou-lhe as asas,
e ficou roxo como um lírio magoado,
um lírio de paixão,
negro como um céu sem astros,
um Pássaro Negro
tocado de morte.




E de nada serviram as mãos
que se fizeram conchas para o abrigar,
de nada serviu a Esperança,
de nada serviram as lágrimas,
de nada serviu o vendaval da Ira,
nem o Desespero, nem a Dor.
Ferido de silêncio e de morte,
o Pássaro Azul
fechou para sempre as asas
e nunca mais foi azul.




Não, na Ilha do Tesoiro
e do Pássaro Azul
não estão as minhas asas,
não estão nenhumas asas,
ficaram só as penas…
As penas e um tesoiro
que escondi, não sei onde,
quando parti
para a minha viagem sem partida
e sem regresso.

Oh! A minha viagem,
esses longos caminhos da Aventura
que imaginei, imóvel,
no quarto, a horas mortas.
Era tudo miragem,
silêncio, noite escura:
um mar de ondas paradas,
um chão de pedras soltas,
de plantas calcinadas…
Constelações de nuvens,
jardins de campas rasas,
florestas de silêncio,
sem frutos e sem asas.




Então vieste com teu passo lento,
com tuas mãos de flor
e teu sorriso breve,
então vieste, branca e alada,
pura e alada,
numa noite de tédio e nostalgia.
Não perguntaste,
não disseste nada,
mas eras a Poesia,
mas eras tu, Poesia,
meu tesoiro perdido,
meu tesoiro encontrado,
reencontrado.


A Ilha do Tesoiro,
a minha Ilha…

Porque eu tinha uma Ilha,
num continente sem limites
que nenhum mar banhava.
Era a Ilha da Seta,
da metade ascendente
do meu signo de Fogo, o Sagitário,
que não era de terra nem de lava
mas dum estranho calcário,
imponderável, fluido,
inconsistente.
Era a Ilha do mar inexistente,
do céu imaginário,
que julguei povoar de Sonho, de Ilusão,
e afinal povoei
de bolas de sabão.

É a Ilha da grande Solidão…

Fernanda de Castro, in «A Ilha da Grande Solidão», 1962
Extraído de: Fundação António Quadros



"O pássaro é livre na prisão do ar. O espírito é livre na prisão do corpo." ( Carlos Drumond de Andrade )

12 comentários:

  1. Bom dia Maria, um poema muito belo, muito tocante de Fernanda de Castro, que mexe com muito do que sentimos, do que vivemos. Desejo que a luz do sol e a esperança morem sempre no seu lindo e enorme coração. Um grande beijinho. Ailime

    ResponderEliminar
  2. Lindo demais.Belíssimo compartilhamento! beijos,chica

    ResponderEliminar
  3. oi minha amiga,

    que lindos,
    adoro pássaros,
    mas gosto de ve-los livres,voando,soltos de qualquer viveiro ou gaiola...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Maria, beijinhos...

    A Ilha da Grande Solidão, gostei de conhecer!
    Lindas fotos/imagens...
    Também achei linda a frase de Drumond: "O PÁSSARO É LIVRE NA PRISÃO DO AR. O ESPÍRITO É LIVRE NA PRISÃO DO CORPO."

    ResponderEliminar
  5. Bom dia amiga Maria que poema lindo falndo dos passaros de seu voo que muitas vezes lhe é roubado por serem aprisionados no egoismo do ser humano que o priva da liberdade lindo poema amiga parabens por sua escolha impecavel grande abraço bjs marlene

    ResponderEliminar
  6. Que lindooooooooo, menina! Se toda alma fosse livre, imagino que seria como essa publicação de hoje.

    ResponderEliminar
  7. Oi Maria!
    Que post L I N D O!!!!!!!

    Lindo... e mais nada a comentar.

    Abração
    Jan

    ResponderEliminar

  8. Querida Maria

    Este poema parece o percurso de uma vida, com momentos belos e momentos tristes, por vezes a redenção e por fim, talvez, uma certa decepção e conformismo. Um poema belíssimo de Fernanda de Castro que nos desnuda a alma.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  9. Belo o poema de Fernanda de Castro.
    E muito conseguida a tua interpretação através destas belas aves.
    Gostei muito, Maria.

    ResponderEliminar
  10. amei esse post. Parabéns.

    ResponderEliminar
  11. A natureza em todo o seu esplendor, quanta beleza!
    Bom fim de semana, e um grande abraço.

    ResponderEliminar
  12. www.fernanda-decastro.blogspot.com

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.

Topo