domingo, 4 de setembro de 2016

Humildade - Poema de Cora Coralina




Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.

Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.

Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura,
numa terra sedenta
e num telhado velho.

Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.


Cora Coralina



5 comentários:

  1. Nada mais propício que este poema neste dia da beatificação da Madre Teresa de Calcutá ,desejo-lhe um santo e feliz domingo beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Que lindo a Cora por aqui.
    Ela era toda doçura e fazia poesia como oração inspirada pelos becos da Goiás Velho.
    Vale sempre ler e reler Cora.
    Bela partilha Maria.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  3. Vim avisar que levei essa poesia daqui como semente lá naquele meu canteiro ! Espero gostes! Podes ver aqui:

    http://canteiroqueunesementes.blogspot.com.br/2016/09/59-semente-vem-da-maria-rodrigues.html


    beijos, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha amiga obrigado pelo seu carinho sempre presente, fiquei muito feliz por ter levado este belíssimo poema como sementinha para o seu canteiro.
      Beijinhos
      Maria

      Eliminar
  4. Palavras de uma extrema sensibilidade de Cora... que tanto aprecio... e que terei o prazer de reapreciar num dos blogues da Chica!...
    Beijos para ambas!
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.