sábado, 2 de outubro de 2010

Viver não dói – por Carlos Drummond de Andrade




Definitivo, como tudo o que é simples. A nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz.

Sofremos por quê?

Porque automáticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido juntos e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos.

Por todos os beijos cancelados, pela eternidade. Sofremos, não porque o nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos, não porque a nossa mãe é impaciente connosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela as nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos, não porque o nossa equipa perdeu, mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso:

Se iludindo menos e vivendo mais!!! A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, faz perder também a felicidade.

A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.

Autor: Carlos Drummond de Andrade



31 comentários:

  1. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional, a mais pura verdade.

    Bom fim de semana amiga.

    beijooo.

    ResponderEliminar
  2. Querida amiga, a dor realmente é inevitável, mas nem sempre o sofrimento é opcional, pois a dor quando é grande demais causa muito sofrimento. Beijocas

    ResponderEliminar
  3. Minha querida
    Um texto muito verdadeiro...a opção é nossa.
    Adorei.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  4. A maior dor é ter consciência que causa sofrimento a alguém que você ama.

    Beijos com carinho.
    Glória

    ResponderEliminar
  5. Vim agradecer sua visita e simpáticas palavras! Voltarei para conhecer melhor este seu cantinho.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Eu sou meio suspeito para falar do Drummond. Além de ter nascido na mesma cidade que ele, considero-o, junto com o Fernando Pessoa, o maior poeta de todos os tempos. E esse poema é lindo demais!!!! Abraços, Maria! Paz e bem.

    ResponderEliminar
  7. Amiga Maria!

    Quanta simpatia a sua!
    Obrigada!

    Texto tão real como a vida de cada um de nós.
    Viver sem dor é impossível...mas cabe-nos a nós exorcizá-la e saber continuar.

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Olá amiga Maria, há uma canção que diz, esta na nossa mão ser feliz, mas ainda assim concordo com a Marilu, quando há dor, há sofrimente, e eu infelizmente sei que é assim.

    Um beijinho,
    José.

    ResponderEliminar
  9. Muito lindo esse texto, estava com saudades daqui, é muito bom visitar seu espaço, parabéns e tudo de bom.

    ResponderEliminar
  10. Olá Maria!

    Começando por pedir licença para discordar,não me parece que sejam tão lineares assim algumas das afirmações aqui contidas. Acho mais que são uma visão poética, nalguns casos um pouca fantasiada e até simplista, daquilo que a vida, de facto,é.

    Dizer-se que a nossa dor não possa advir das coisa vividas,não liga muito bem com a realidade; o autor falará dum outro universo de sentimentos, certamente que não do mundo real.
    Para acabar, e só para tentar ilustrar o que pretendo afirmar, será que é assim tão fácil dissociar dor de sofrimento - ou mesmo possível...?

    Bem,desta vez não estive de acordo com este grande escritor, senão estaria em desacordo comigo ... e espero que a Maria me não leve a mal!

    Beijinhos; bom fim de semana.
    Vitor

    ResponderEliminar
  11. Adoro Drumond. Lindo texto. É difícil mas temos que aprender a viver com o que a vida nos dá.

    ResponderEliminar
  12. Boa noite Maria,
    não podia estar mais de acordo, "Viver não custa, o que custa é saber viver!"

    Beijinhos,
    Ana Martins
    Ave Sem Asas

    ResponderEliminar
  13. A dor é inevitável. O sofrimento opcional, mas, às vezes necessário, para aprendermos a avaliar o sofrimento dos nossos semelhantes. Belo texto.

    Beijos e ótimo domingo pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  14. Bela escolha.Amar é uma necessidade e o amor é "alguém".E só sofres quando amas.Um abraço.

    ResponderEliminar
  15. Olá Maria:
    Ainda bem que o tempo enfraquece as lembranças das nossas dores. Drummond é Drummond, mas não concordo com ele, nem sempre conseguimos superar a dor com tanto positivismo.
    Beijinhos e bom fim de semana.
    Léah

    ResponderEliminar
  16. Maria,

    Agradeço-lhe pela visita em meu blog. É uma honra para ver meu soneto ser lido por alguém como você!

    Beijos Mil!...
    Maria,

    Agradeço-lhe pela visita em meu blog. É uma honra para ver meu soneto ser lido por alguém como você!

    Beijos Mil!...

    ResponderEliminar
  17. Absolutamente verdade.
    Quanto mais vivo mais corroboro tudo o que foi dito por Drummond.

    Bom FdS

    ResponderEliminar
  18. Oh, Linda e Simpática Amiga:
    "...Sofremos por quê?

    Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projecções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido juntos e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos..."

    Uma real e autêntica visão da vida que passa por nós.
    Devemos "agarrá-la", vivê-la com intensidade e de forma total.
    É feliz todo aquele(a) que se entrega a ela com força, inércia e capacidade de compreender e entender o seu significado precioso.
    Excelente, amiga. Belo e soberbo texto que é um hino ao existir.
    Escreve maravilhosa e deslumbrantemente.
    Parabéns.
    MUITO OBRIGADO pela ternura que deixou expressa no meu blogue que adorei.
    Bem-Haja.
    Beijinhos agradecidos pelo seu encanto e beleza.
    Com respeito, estima e consideração.
    Sempre a admirá-la

    pena

    Excelente!
    É linda e perfeita.

    ResponderEliminar
  19. Maria

    Sou um admirador da poesia de Drummond de Andrade, de prosa pouco tenho visto. Poém a posa dele porque optaste, é maravilhosa.
    Beijos

    ResponderEliminar
  20. Interessante, Maria.
    Nós aqui gostamos de mencionar autores portugueses, Fernando Pessoa em especial.
    Você gostam de falar nos brasileiros. Isto é comunidade!

    Carinho,
    Jorge

    ResponderEliminar
  21. Maria; Viver na verdade não custa ssim tanto o que mais custa é saber viver e partilhar as coisas boas com os outros, mas isso geralmente não o fazemos fechamo-nos no nosso casúlo e deixamos correr.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  22. Olá! Maria

    Agradeço o carinho de suas palavras no meu cantinho, a Net tem essa magia de encontra pessoas solares, e voce é uma delas...Eu que fiquei encantada aqui com tantas imagens lindas e poemas.

    beijos,

    ResponderEliminar
  23. O Drummond sempre tem em si um que que causa polêmica seja em qualquer poema, seja em sua vida, sempre encontrei criticas sobre a sua pessoa.... eu já não penso assim, para mim seja um burguês ou um boêmio. Para mim Drummond foi e deixou um legado enorme e admirável e quando tenho a oportunidade sempre absorvo um aroma de sua sabedoria.

    ResponderEliminar
  24. Oi Maria...obrigada pela visita...adorei!

    Amei seu texto....amo Drummond...

    bjos querida!

    Zil

    ResponderEliminar
  25. Apenas por absoluta falta de tempo não me é possível dirigir um agradecimento individualizado a cada uma das pessoas que tiveram a gentileza de me felicitar pelo meu aniversário.
    Faço-o, por isso, numa forma “generalizada”, mas acompanhada do carinho particular para cada um de vós, neste caso para ti, Maria

    PS – Aproveito a oportunidade para agradecer, também, a visita e comentário ao meu post anterior “Acontecimento Inesperado”.(não sei se viste...)

    Sou fã incondicional de Carlos Drummond de Andrade. Adoro tudo que ele escreve. Este texto não foge à regra...

    Hoje há selinho na "CASA". Gostaria de o ver aqui, na tua casa...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  26. Teu cantinho é uma riqueza, é de encher os olhos de alegria, ainda mais com sábias palavras de Carlos Drummond!!! Espero que tenhas uma semana rica em sabedorias e recheada de alegrias!!!

    Beijo imenso de gratidão!!!

    ResponderEliminar
  27. Maria
    um beijo e a vontade de ...escrever ...de tomar notas de não parar. e deixar que os temos mortos não existam
    um beijinho


    NOTAS SOLTAS



    Notas muitas notas...
    Soltas e não só...
    E eu, vou tomando notas...
    Para um dia poder recordar...

    Tomo notas, do céu e da terra...
    Da lua e das estrelas...
    E vou tomando notas...

    Com o coração a bater...
    E com o sentir da vida...
    Do mundo e de ti...
    E continuo a tomar notas...

    E nestas notas, escritas por mim
    Eu escrevo também para ti...
    E debruço-me sobre os meus braços
    E... continuo... a tomar notas!...

    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  28. Olá Maria
    Sou fã de Drummond e concordo com ele.
    Já agora, passe pel'O Açor. Tem lá um selinho para si.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  29. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.

    é isso amiga. beijos terê.

    ResponderEliminar
  30. Para mim dor é sofrimento.
    Sofre-se por amor e sofre-se com desejo de querer algo que se perdeu ou que desejaríamos alcançar - sucesso ...prazer...
    Como disse a Ana Martins:
    Viver não custa é preciso saber.
    Ambos estão interligados.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.