terça-feira, 26 de outubro de 2010

Pudesse Eu - Poema de Sophia de Mello Andreson





Pudesse eu não ter laços nem limites
Ó vida de mil faces transbordantes
Para poder responder aos teus convites
Suspensos na surpresa dos instantes!


Sophia de Mello Breyner Andreson


5 comentários:

  1. Muito lindo esse poema, parabéns e tudo de bom pra você.

    ResponderEliminar
  2. Olá querida amiga,que bom que gostou de meu blog,obrigada por me acompanhar ,também gostei muito do seu.Os poemas ,as essas paisagens maravilhosas,estarei sempre acompanhando,bjims.

    ResponderEliminar
  3. Boa noite Maria.Pessoalmente sou admiradora da poesia de Sophia! Escreve com toda a sua envolvência e magia das palavras...gostei muito.
    Obrigada pela visita e comentário.Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Nem preciso dizer que está lindo né, querida!!! O seu bom gosto e sensibilidade, são encantadores!!!

    Beijos de passarinho!!!

    ResponderEliminar
  5. A Sofia,sempre a deixar-nos rendidos à beleza das suas palavras.Belíssima escolha.Um abraço.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.