sábado, 23 de outubro de 2010

Em uma Tarde de Outono - Poema de Olavo Bilac


Outono. Em frente ao mar. Escancaro as janelas
Sobre o jardim calado, e as águas miro, absorto.
Outono... Rodopiando, as folhas amarelas
Rolam, caem. Viuvez, velhice, desconforto...

Por que, belo navio, ao clarão das estrelas,
Visitaste este mar inabitado e morto,
Se logo, ao vir do vento, abriste ao vento as velas,
Se logo, ao vir da luz, abandonaste o porto?

A água cantou. Rodeava, aos beijos, os teus flancos
A espuma, desmanchada em riso e flocos brancos...
Mas chegaste com a noite, e fugiste com o sol!

E eu olho o céu deserto, e vejo o oceano triste,
E contemplo o lugar por onde te sumiste,
Banhado no clarão nascente do arrebol...

Olavo Bilac



"Outono é outra Primavera, cada folha uma flor." (Albert Camus)

11 comentários:

  1. Boa tarde minha flor.
    Belíssimo poema,tudo de muito bom gosto.
    Um beijo grande e uma linda tarde.
    Beijokas mil.

    ResponderEliminar
  2. Gostei do poema e adorei a frase de Camus.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito da poesia de Olavo Bilac. Publiquei dele, no meu blog "LÍRIOS", um poema, também muito bonito - "Árvores".
    Gostei muito deste "Em uma tarde de Outono".
    Não conhecia. Obrigada pela partilha.

    Noite feliz e bom domingo

    ResponderEliminar
  4. Minha querida
    Um poema lindissimo de Olavo Bilac, sempre muita sensibilidade nas escolha que fazes, lindo.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  5. Lindo esse poema de Olavo Bilac, amo o outono.

    Obrigada amiga pela sua companhia.

    Bom domingo!

    beijooo.

    ResponderEliminar
  6. Olá, entrei por curiosidade, gostei! Adoro todas as estações do Ano, e cada uma a seu tempo, não deixa que encham a medida, a única que quero que passe mais rápido é o Inverno, esse senhor que nos dá desconforto na rua, vento, chuvas...

    Um beijinho da laura

    ResponderEliminar
  7. Vendo esta imagem o Outuno apetece!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Lindo poema de Bilac

    Sei que poemas não devem ser explicados, mas "sentidos"...

    Fiquei imaginando o que o poeta sentiu ao escrever...

    Alguém que partir desta vida?
    Ou partiu apenas da vida do poeta?
    Ou fala da morte da estação?

    Tanta coisa passou pela minha cabeça, mas
    acho que temos de interpretar a poesia
    de acordo como a recebemos, como a sentimos.

    Quem sabe amanhã interpretarei diferente.

    Bjs
    Chris

    ResponderEliminar
  9. Maria! Linda esta poesia de Olavo Bilac. Usastes tua sensibilidade para escolhe-la.
    Beijos e um bom domingo.

    ResponderEliminar
  10. "Finos clarins que não ouvimos devem
    soar por dentro da terra, nesse mundo
    confidencial das raízes, — e arautos sutis
    acordarão as cores e os perfumes e a
    alegria de nascer, no espírito das flores."

    Cecília Meirelles

    Feliz Domingo e excelente semana prá voce!Sempre Beijos...M@ria

    ResponderEliminar
  11. Este poema é simplesmente maravilhoso! A escolha da imagem também foi excelente. Parabéns!
    Ótima semana para voce.
    Olivia

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.