domingo, 17 de janeiro de 2010

Os Maias uma civilização Misteriosa

A extraordinária civilização pré-colombiana denominada Maia, desaparecida há 300 anos do continente americano, legou-nos maravilhas e conhecimentos que são até hoje, objecto de investigação de historiadores do mundo inteiro.


Foto: Net ( desconheço autoria)

A civilização dos Maias desenvolveu-se lentamente ao longo do primeiro milênio a.C., e alcançou o seu auge no século III d.C.. O território dos Maias abraçava quase toda a Guatemala, o ocidente de Honduras, Belice, e os actuais estados de Yucatán, Quintana Roo, Campeche, parte de Chiapas e Tabasco, no México.

Foto: pessoal

Durante dois mil anos, os maias conseguiram desenvolver uma sofisticada cultura num meio ambiente extremamente adverso, como a selva tropical das Terras Baixas. Eles ocuparam um território caracterizado por uma diversidade ecológica enorme bastante exigente. As populações das planícies do norte, cujo subsolo está cortado por rios subterrâneos, dependiam da emersão de lagos naturais, e de acumulação em cisternas, chamadas de chultunes.


Foto: Pessoal
Foto: Pessoal

Por volta do século XIII, a sociedade maia entrou em colapso. Ainda hoje, não existe uma explicação que consiga responder a essa última questão envolvendo a trajetória dos maias. Recentemente, um grupo de pesquisadores norte-americanos passou a trabalhar com a hipótese de que a crise desta civilização esteja relacionada à ocorrência de uma violenta seca que teria se estendido por mais de dois séculos. Sem centralização estatal que unificasse as cidades, os maias desenvolveram uma cultura extremamente homogénea no tempo e espaço.


Foto: Net ( desconheço autoria)


Organização e Sociedade
Nunca chegaram a formar um império unificado, facto que favoreceu a invasão e domínio de outros povos vizinhos. As cidades formavam o núcleo de decisões e práticas políticas e religiosas da civilização e eram governadas por um estado teocrático.O império maia era considerado um representante dos deuses no Planeta Terra. A zona urbana era habitada apenas pelos nobres (família real), sacerdotes (responsáveis pelos cultos e conhecimentos), chefes militares e administradores do império (cobradores de impostos). Os camponeses, que formavam a base da sociedade, artesão e trabalhadores urbanos faziam parte das camadas menos privilegiadas e tinham que pagar altos impostos.


Foto: Net ( desconheço autoria)


Economia e Agricultura
O esplendor da sociedade maia é fundamentalmente explicado pelo controle e as disciplinas empregadas no desenvolvimento da agricultura. Entre os vários alimentos que integravam a dieta alimentar dos maias, podemos destacar o milho, produto de grande consumo, o cacau, o algodão e o agave. Para ampliar a vida útil de seus terrenos, os maias costumavam organizar um sistema de rotação de culturas. A economia era baseada na agricultura e praticavam o comércio de mercadorias com povos vizinhos e no interior do império.
 
Cultura
A arte maia tinha suma importância na preservação das tradições religiosas, ao mesmo tempo em que contava e reproduzia as feições de suas principais divindades. Expressava-se, sobretudo, na arquitectura e na escultura. As suas monumentais construções — como a torre de Palenque, o observatório astronómico de El Caracol ou os palácios e pirâmides de Chichén Itzá, Palenque, Copán e Quiriguá — eram adornadas com elegantes esculturas, estuques e relevos. Podemos contemplar as suas pintura nos grandes murais coloridos dos palácios. Utilizavam várias cores. As cenas tinham motivos religiosos ou históricos. Destacam-se os frescos de Bonampak e Chichén Itzá. Os murais e as esculturas relatavam a grandeza das dinastias que controlavam uma determinada cidade-Estado. Sendo indicada como uma família abençoada pelos deuses, as expressões artísticas maias eram importantes na legitimação do poder político.

Foto: Net ( desconheço autoria)

Os maias trabalhavam com pedras, matérias em madeira e cerâmica para construírem estátuas e figuras em baixo relevo que adornavam os templos e demais construções urbanas. Na cidade de Bonampak encontram-se várias construções e pinturas da civilização maia. No chamado Templo das Pinturas existem câmaras que relatam a história política, cultural e militar dos povos que se fixaram naquela região. Em outras regiões encontramos ainda o importante legado deixado pela arquitectura maia.

 
Escrita
Utilizavam uma escrita hieroglífica que ainda não foi totalmente decifrada. Somente com o auxílio de computadores é que, recentemente, cerca da metade dos caracteres foram traduzidos. Toda esta dificuldade é proveniente da falta de um padrão simplificado onde um glifo representa um único som ou letra. A escrita dos maias adopta o uso de um mesmo caractere para representar dois ou mais símbolos e sons. Ao mesmo tempo, um mesmo conceito poderia ser representado por caracteres completamente diferentes.


Além de constituir uma forma de comunicação entre os maias, a escrita também tinha uma vinculação religiosa. Os maias acreditavam que a escrita era um presente dos deuses e, por isso, deveria ser ensinada a uma parcela privilegiada da população. De maneira geral, utilizavam diferentes materiais para o registro de alguma informação. Pedras, madeira, papel e cerâmica eram os materiais mais recorrentes. Além disso, os maias também fabricavam livros e códices confeccionados a partir de fibra vegetal, resina e cal.


Arquitetura

A arquitetura deste povo esteve sempre muito ligada à reafirmação de seus ideais religiosos. Várias colunas, arcos e templos eram erguidos em homenagem ao grande panteão de divindades celebrado pela cultura maia. A face politeísta das crenças maias ainda era pautada pela crença na vida após a morte e na realização de sacrifícios humanos regularmente executados.


Foto: Pessoal

Cidades
As cidades da civilização maia contavam com avenidas, calçadas, templos e palácios, configurando a grande engenhosidade de suas construções. Em Chichén Itzá e Tikal podem ser encontrados poços, pirâmides e palácios que demonstram a grande riqueza do traçado arquitetónico maia. Espalhadas por toda Meso-América, as cidades astecas são grande fonte de conhecimento da cultura e da história maia.


 Foto: pessoal

As cidades templo
As pirâmides-montanha de Tikal e Palenque
Nas florestas tropicais ao sul da península de Yucatán, o antigo povo maia construiu um enorme centro cerimonial conhecido como Tikal. Uma das maiores e mais importantes cidades maias.
 
Foto: Net

Muito vinculados a Teotihuacán, os monarcas de Tikal foram grandes guerreiros. Eles enfrentaram outras cidades como Uaxactun, Caracol e Calakmul. A influência de Teotihuacan é observada na arquitectura. Provávelmente, Tikal foi a cidade maia mais povoada. Tem os templos mais altos e mais numerosos. Os arqueólogos contabilizaram mais de 3.000 construções. A Praça da Grande Pirâmide concentrava os eventos. Entre os destaques estão o Templo do Grande Jaguar, o Templo do Grande Sacerdote e o Templo da Serpente Bicéfala, a construção mais alta que oferece uma vista imponente do conjunto Tikal.


 Foto: wikipedia_Bjørn Christian Tørrissen


Palenque controlava o rio Usumacinta, e o sul de Yucatán. Dentro do complexo destaca-se o Templo das Inscrições, assim chamado devido aos 617 hieróglifos gravados no interior. Lá estão os restos de K’inich Janaab Pakal, rei em cuja memória o templo foi erguido. As pirâmides-montanha de Tikal e Palenque representavam o universo e serviam como meio de comunicação com o Além. Elas exaltavam o poder dos governantes. Os santuários ficavam no nível superior e representavam a criação do mundo, a união do subterrâneo com a superfície da terra e do céu.

No nível inferior, as carrancas do “Monstro da Terra” marcavam a entrada do inframundo. Os labirintos no interior das grutas naturais e nos subterrâneos de Palenque mostravam o caminho para descer ao inferno. O rei passava por este ritual antes de ser glorificado. Procurava no subsolo o segredo para assegurar a ordem cósmica, e lutar contra o caos.

As crenças religiosas
A religião deste povo era politeísta, pois acreditavam em vários deuses ligados à natureza. Os murais pintados surpreendem pelo realismo e pela capacidade para transmitir sentimentos. É o caso dos vasos de Bonampak, elaborados entre 600 e 800 a.C. na região mexicana de Chiapas. Eles mostram as cerimônias e os momentos que antecediam as batalhas, o seu desenvolvimento, e o sacrifício final dos prisioneiros.
O jade era um material ritual e mágico mais valorizado do que o ouro. Era a jóia favorita. Os reis maias utilizavam-na como dentes postiços. Uma vez enterrados, as máscaras fúnebres cobriam o seu rosto, e depositavam na sua boca contas de jade e milho para saciar a fome no País dos Mortos.



O Calendário Maia
Os avançados conhecimentos que os maias possuíam sobre astronomia, como eclipses solares e movimentos dos planetas, e sobre matemática, permitiram-lhe criar um calendário cíclico de notável precisão. Na realidade são dois calendários sobrepostos: o tzolkin, de 260 dias, e o haab de 365 dias. O haab era dividido em dezoito meses de vinte dias, mais cinco dias livres. Para datar os acontecimentos utilizavam a "conta curta", de 256 anos, ou então a "conta longa", que principiava no início da era maia. Eles determinaram com exatidão incrível o ano lunar, a trajetória de Vênus e o ano solar (365 dias, 5 horas, 48 minutos e 45 segundos). Graças à exactidão do calendário, os maias eram capazes de organizar as suas actividades quotidianas e registar simultaneamente a passagem do tempo, historiando os acontecimentos políticos e religiosos que consideravam cruciais.



Os maias compreendiam o tempo não como uma medida linear - passado, presente e futuro - mas formado por ciclos que se repetem e constituem o "eterno tempo presente", da mesma forma que afirmava Pitágoras, de Samos, no século V ac.

O Calendário Maia previa o final do ciclo actual no ano de 2012, quando tudo se extinguiria para o início de uma nova era. O povo Maia concebia a Terra como um ser vivo orgânico, antecipando o pensamentos dos ecologistas de nosso século e entendiam o tempo da mesma forma que o conceito de noosfera de Teilhard de Chardin e o Num dos egípcios, oceano cósmico de onde tudo flui e de onde plasmam todas as formas vivas.

A sua vasta cultura é muito similar a do antigo Egipto, não só pela precisão matemática de seus monumentos (templos e pirâmides), mas pela maneira como interpretavam o sentido da vida.

Fontes e Fotos: "historiadomundo”, Suapesquisa; Wikipédia; enciclopédia Larousse; fotos pessoais; outros net.

montagem de fotos

"Se queres prever o futuro, estuda o passado." (Confúcio)

5 comentários:

  1. Amei o documentario sobre os Maias. Estava procurando particularmente sobre as ninfas, mas li tudo e fiquei sabendo de mais coisas interessantes. Obrigada.
    BjOOO

    ResponderEliminar
  2. Ameiii o blog mi ajudou muito no meu trabalho escolar sobre os maias!
    amei tambem as mensagens do lado !!

    ass: leticia souza
    12anos

    beijocassssssssssssss

    ResponderEliminar
  3. amei aquele negocio de da comida as peixinhos kkkkk
    como faço pra colocar ele no meu blog ?

    espro por respostas!
    obrigada S2

    ResponderEliminar
  4. Leti

    Para colocar o aquário dos peixinhos é simples.

    1º Vais cá em cima e escolhes "Design"
    2º Selecionas onde diz "Adicionar uma Mini Aplicação"
    3º Escolhes a 3 opção que diz " Mais Popular "
    4º Procuras a opção que diz " Fish " e carregas no +
    5º Dás um titulo e escolhes a cor dos peixinhos
    6º Se queres colocar um fundo do mar bonito, tens de ir á opção "Background Image (jpg) e colocar lá o endereço de http de uma foto. Deixo-te aqui um que me pareceu bem bonito é só colocar lá

    http://i1198.photobucket.com/albums/aa455/abbyroad87/UnderWater_4.jpg

    Em baixo carregas em actualizar e vês como fica, podes sempre mudar a cor dos peixinhos.

    Espero ter ajudado.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  5. os maias sao demais se pudesse voltar ao tempo ia a civilacao maia

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.