sábado, 2 de setembro de 2017

Ideal - Poema de antero de Quental




Aquela, que eu adoro, não é feita
De lírios nem de rosas purpurinas,
Não tem as formas lânguidas, divinas
Da antiga Vénus de cintura estreita...

Não é a Circe, cuja mão suspeita
Compõe filtros mortaes entre ruínas,
Nem a Amazona, que se agarra ás crinas
D'um corcel e combate satisfeita...

A mim mesmo pergunto, e não atino
Com o nome que dê a essa visão,
Que ora amostra ora esconde o meu destino...

É como uma miragem, que entrevejo,
Ideal, que nasceu na solidão,
Nuvem, sonho impalpável do Desejo...


Antero de Quental, in "Sonetos"


7 comentários:

  1. Poemas são miragens feitas pelas palavras disfarçadas.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  2. Interessante e maravilhosa escolha. Adorei

    Beijo e um sábado feliz

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso Ideal querida amiga ,desejo-lhe um fim de semana muito abençoado ,beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
  4. Antero de Quental foi um grande escritor.
    E este soneto é magnífico.
    Obrigado pela partilha, foi uma excelente escolha.
    Bom fim de semana, amiga Maria.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. Mais um excelente poema de Antero Quental, obrigado pela partilha.

    Bom fim de semana Maria.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  6. Do ilustre Antero,
    li esse belo poema
    na vida o que eu quero
    de mim não sintam pena!

    Tenha uma boa noite, e um bom dia de domingo, amiga Maria, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  7. Os sonetos de Quental são maravilhosos Maria e sua escolha foi ótima.
    Bonita ilustração.
    Gosto de suas escolhas poéticas para as partilhas.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.