sábado, 6 de maio de 2017

Ao luar - Poema de Augusto dos Anjos





Quando, à noite, o Infinito se levanta
A luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha táctil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!


Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha mão, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!


Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinitésimo e o Indeterminado…


Transponho ousadamente o átomo rude
E, transmudado em rutilância fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!


Augusto dos Anjos



11 comentários:

  1. Bom dia querida amiga, muito obrigado pela partilha, um belíssimo poema ,desejo-lhe um sábado cheio de felicidade, beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Bonito poema.
    Aproveito para desejar um bom fim de semana!

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda


    ResponderEliminar
  3. Maria
    O poeta patrono da Academia de literatura da Paraíba, em João Pessoa, que já tive o prazer de visitar. Dado o seu enorme prestígio, sobretudo no Brasil, Augusto doa Anjos tem lugar muito especial na literatura lusófona, sobretudo na poesia clássica.
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Este poema é tão bonito! Adorei

    Tenha um bom fim de semana.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. que poema lindo, as palavras certas nos tocam e fazem bem para a alma!!
    Tenha um ótimo fim de semana!!
    bjss

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito deste poema de Augusto dos Anjos, autor que desconheço.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Augusto dos Anjos... um poeta brilhante... adoro seus poemas, esse foi muito bem escolhido...

    Beijos...

    ResponderEliminar
  8. Oi, Maria!

    Bela escolha!
    O poeta brasileiro escolhido carrega uma carga dramática intensa e utiliza-se de elementos químicos de forma singular!...
    Gosto muito!

    Beijos! =)

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.