sábado, 22 de abril de 2017

Terra - Poema de Francisco Joaquim Bingre


Dia da TERRA





Ó Terra, amável mãe da Natureza!
Fecunda em produções de imensos entes,
Criadora das próvidas sementes
Que abastam toda a tua redondeza!

Teu amor sem igual, sem par fineza,
Teus maternais efeitos providentes
Dão vida aos seres todos existentes,
Dão brio, dão vigor, dão fortaleza.

Tu rasgas do teu corpo as grossas veias
E as cristalinas fontes de água pura
Tens, para a nossa sede, sempre cheias.

Tu, na vida e na morte, com ternura
Amas os filhos teus, tu te recreias
Em lhes dar, no teu seio, a sepultura.


Francisco Joaquim Bingre


12 comentários:

  1. Fazia uma criação linda e o poema soa como a primavera.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso poema ,uma terra que anseia por vida que clama de dor por tantas atrocidades que o ser humano tem cometido ao longo dos tempos ,um grito sentido ,feliz fim de semana querida amiga ,beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Lindo demais! Amei

    Beijo e um excelente sábado.

    ResponderEliminar
  4. Um poema com dizeres profundos. É a mãe natureza sendo exposta na sua dor causada pela truculência bárbara dos seres humanos que não a respeitam
    Um poema fascinante. Um ótimo fim de semana
    Beijokinhas

    ResponderEliminar
  5. Um belo poema, Maria!
    Bom fim de semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Maria
    Belo soneto, até como ode a mãe natureza-
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Belo poema! E o li com tal ternura
    Como se lê uma prece, Maia
    Porém quando chegue à terra fria
    Eu me assustei com a fria sepultura.

    Em pirueta atlética a mais segura
    Virei salto mortal e a poesia
    Ainda achei com vida. A anestesia
    Passou quando passei sem mais censura

    Mirar a festa da colheita escassa
    Vendo que a vida vem e a vida passa
    Brindo contigo à vida nesse tema

    Ergamos Maria, alta nossa taça
    Ao vinho embriagador rendamos graça
    Com um viva à Terra e àquele poema.

    Grande abraço, amiga! Tudo de bom a ti e aos teus. Cordialmente. Laerte.

    ResponderEliminar
  8. Oi Maria
    Lindo poema sobre a nossa Terra!
    Adorei
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  9. Boa noite Maria.
    Majestoso soneto! Esse canto pela Terra me emociona, precisamos mesmo, não só hoje, mas todos os dias, agradecer pela morada que nos serve com tanta generosidade.
    Linda demais a sua postagem, parabéns!
    Meu carinho.

    ResponderEliminar
  10. Mais um autor que foi um verdadeiro prazer descobrir, por aqui, Maria!...
    Adorei o poema!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.