segunda-feira, 1 de maio de 2017

Canção da Primavera






Eu, dar flor, já não dou. Mas vós, ó flores,
pois que maio chegou,
Revesti-o de clâmides de cores!
Que eu, dar flor, já não dou.

Eu, cantar já não canto. Mas vós, aves,
Acordai desse azul,calado há tanto,
As infinitas naves!
Que eu, cantar, já não canto.

Eu, invernos e outonos recalcados
Regelaram meu ser neste arrepio...
Aquece tu, ó sol, jardins e prados!
Que eu, é de mim o frio.

Eu, Maio, já não tenho. Mas tu, Maio,
Vem, com tua paixão,
Prostrar a terra em cálido desmaio!
Que eu, ter Maio, já não.

Que eu, dar flor, já não dou; cantar,não canto;
Ter sol, não tenho; e amar... 
Mas, se não amo,
Como é que, Maio em flor, te chamo tanto,
E não por mim assim te chamo? 


José Régio


12 comentários:

  1. Lindíssimo querida amiga, desejo-lhe um mês de Maio cheio de felicidade, beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Muito linda poesia! Primavera inspiradora! bjs, chica

    ResponderEliminar
  3. Que bonito poema. Amei
    Obrigada pela partilha

    Beijos e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  4. Maravilhosa esta canção da Primavera de José Régio, poeta que muito aprecio...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Tão bonito este poema, como o mês de Maio!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Maio que traz beleza e inspiração bem florida nesta sutil primavera é o que canta lindamente o poeta
    Beijos e uma linda semana

    ResponderEliminar
  7. Que lindo poema!! Um terno carinho ao mês que se inicia!
    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  8. Não resisti e pastichei o belo poema de José Régio e, por isso, peço desmesuradas desculpas. Não sou perfeito.

    Mas porque tanto despertar assim ó flores
    Só porque este primaveril maio chegou
    Ou apenas abriste tua aquarela de cores!
    Coincidente com essa migração do grou.

    Então toda essa revoada de vós, aves
    A qual nos olhares beleza causa tanto
    Como fora formação das aeronaves
    Saídas dos esconsos de tranquilo canto.

    Eu, desperto com estes ossos tão cansados
    Que, sob este dossel outonal me arrepio
    Observo tal vento varrendo vastos prados
    Deduzo calamidades de tanto frio.

    Na verdade, bem aventurado tu, Maio!
    Que venhas acompanhado de alta paixão
    Porquanto sei que és apenas um ensaio
    Do clima que vem ai na mais nova estação.

    Eu já não desejo te condenar portanto
    Afirmar tampouco, que de paixão te amo
    Convenhamos não és assim pouco nem tanto
    De forma que se precisar, então te chamo.

    ResponderEliminar
  9. Boa noite, querida Maria!
    Tão lindo e terno com merece a Primavera singela!
    Bjm muito fraterno

    ResponderEliminar
  10. Graciosa canção para o mês mariano e à primavera. Bela escolha.
    Abraços!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.