quinta-feira, 2 de março de 2017

Acordando - Poema de Antero de Quental




Em sonho, às vezes, se o sonhar quebranta
Este meu vão sofrer, esta agonia,
Como sobe cantando a cotovia,
Para o Céu a minha alma sobe e canta.

Canta a luz, a alvorada, a estrela santa,
Que ao Mundo traz piedosa mais um dia…
Canta o enlevo das coisas, a alegria
Que as penetra de amor e as alevanta…

Mas, de repente, um vento húmido e frio
Sopra sobre o meu sonho: um calafrio
Me acorda. – A noite é negra e muda; a dor

Cá vela, como dantes, ao meu lado…
Os meus cantos de luz, anjo adorado,
São sonho só, e sonho o meu amor!


Antero de Quental

7 comentários:

  1. Lindo poema querida amiga ,desejo-lhe uma quinta-feira muito feliz ,beijinhos no coração.

    ResponderEliminar
  2. Fabulosa escolha! Amei. Obrigada pela partilha

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde, canta a luz, a alvorada, a estrela santa, lindo poema de Antero de Quental.

    Visite atravez da minha pagina, a pagina de Pedras Nuas, vai gostar certamente.

    AG

    ResponderEliminar
  4. Oi Maria, bn!
    Poema lindo, assim como todos os outros dele. Sou fã do Antero e sua também amiga!
    Bjsss

    ResponderEliminar
  5. Oi Maria
    Lindíssimo poema
    Seu blog está lindo
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  6. Olá Maria, que escolha feliz neste belo soneto do Antero.
    O terceto final é um primor da arte da poesia.
    Grato pela partilha em rever Antero.
    Bom e lindo fim de semana para voces.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderEliminar
  7. Um poema maravilhoso... no qual as palavras fluem de uma forma encantadora!
    Adorei! Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.