terça-feira, 3 de janeiro de 2017

O Tempo - Poema de Olavo Bilac




Sou o Tempo que passa, que passa,
Sem princípio, sem fim, sem medida!
Vou levando a Ventura e a Desgraça,
Vou levando as vaidades da Vida!

A correr, de segundo em segundo,
Vou formando os minutos que correm...
Formo as horas que passam no mundo,
Formo os anos que nascem e morrem.

Ninguém pode evitar os meus danos...
Vou correndo sereno e constante:
Desse modo, de cem em cem anos,
Formo um século, e passo adiante.

Trabalhai, porque a vida é pequena,
E não há para o Tempo demoras!
Não gasteis os minutos sem pena!
Não façais pouco caso das horas!

Olavo Bilac



11 comentários:

  1. Carpe diem .O tempo não volterá
    um feliz ano novo

    ResponderEliminar
  2. Lindo, lindo, lindo!! Parabéns pela escolha.

    Beijinhos e um Bom Ano!

    ResponderEliminar
  3. Um belo poema dum grande poeta brasileiro.
    Um abraço e Bom Ano de 2017.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso poema querida amiga, desejo-lhe uma terça-feira muito feliz beijinhos

    ResponderEliminar
  5. O tempo é voraz e sua dança é frenética. Saibamos aproveitar cada minuto com propriedade
    Um bom ano pra você Maria
    Beijos

    ResponderEliminar
  6. O tempo ... um elemento que inspirou o poeta!
    Por aqui um tempo a preto e branco:
    https://mgpl1957.blogspot.pt/2017/01/a-preto-e-branco.html

    ResponderEliminar
  7. Oi Maria.
    Este poema é lindo e me fez pensar ...
    Bjs e um 2017 maravilhoso para vc.

    ResponderEliminar
  8. Isso é mesmo verdade,
    com o tempo que passa
    do fim ninguém escapa
    só cá fica a saudade!

    Tenha uma boa tarde amiga Maria,
    continuação de bom ano, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  9. Muito bonito este poema! Desperdiçar o tempo não é sábio...
    Um abraço grande e sincero...

    ResponderEliminar
  10. O tempo é senhor dele mesmo, não admite interferências e lá vai passando a seu ritmo sem se preocupar com o que fazemos com os instantes que nos dá. Tentamos controlá-lo para que tenhamos mais tempo, chegamos até a alterar a hora do relógio, mas só para nossa ilusão; a noite chega quando ele determina e assim faz o dia também. Nada o detém na tarefa que lhe é destinada e nós teimamos em correr atrás do tempo tentando que ele seja todo o nosso; não é nosso e é bom que nos contentemos com as horas que ele nos dá a cada dia e as aproveitemos bem, com calma, serenidade, parando uns segundos pelo menos para reflexão; foi só um instante de paragem e logo logo teremos outro que pode mesmo ser o da ultima despedida.
    Não conhecia este poema e gostei muito. Obrigada, Maria e que o teu tempo seja realmente vivido, com serenidade e a alegria possivel. Beijinho
    Emilia

    ResponderEliminar
  11. Que belo! Não conhecia esse poema de Bilac.
    Quero desejar um maravilhoso ano para você, sua família e amigos.
    Forte abraço!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.