domingo, 31 de julho de 2016

Viagem à HOLANDA - Mercado das flores




Da minha visita a Amesterdão, já mostrei, como foi o nosso sabado, passeando pelo Jardim Keukenhof, Museumplein, a Praça Dam, Oude Kerk, a Praça Nieuwmarkt terminando na Casa Museu Anne Frank. No domingo de manhã fomos conhecer a Vila dos Moinhos Zaanse Schans. Regressámos por volta da hora de almoço e fomos fazer um passeio de barco pelos canais holandeses.hoje vou mosostrar - O Mercado flutuante de flores








O mercado de flores flutuante começou em 1862 e localiza-se na margem do Canal Singel.  Pelo nome pensei que seria um mercado essencialmente de flores naturais, mas embora também as tivesse, tinha principalmente bolbos, sementes e imensa lembranças "souvenirs", como por exemplo a porcelana Delfts Blauw característica da Holanda, tamancos pintados e queijos holandeses.









Está aberto de segunda a sábado das 9h às 17h30 e, aos domingos, das 11h às 17h30.

Fotos: Pessoais


O Homem sempre é mais forte - Poema de Carlos Nejar




O vento faz seu caminho
onde o sol desemboca o mar,
onde a terra tarja o vinho,
onde a noite é seu lagar.

O vento faz seu caminho
onde os mortos vão deitar
e a noite move moinho,
move outra noite no mar.

O vento faz seu caminho
e os pássaros vão pousar
na floração dos moinhos
que amadurecem o mar.

O vento faz seu caminho
onde há sede de plantar,
onde a semente é destino
que um sulco não pode dar.


II


O homem sempre é mais forte
se a outro homem se aliar;
o arado faz caminho
no seu tempo de cavar.

No mesmo mar que nos leva,
o vento nos quer buscar;
o que é da terra é do homem,
onde o arado vai brotar.

Por mais que a morte desfaça,
há um homem sempre a lutar;
o vento faz seu caminho
por dentro, no seu pomar.
 


Caros Nejar


sábado, 30 de julho de 2016

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Suricatas




Hoje vou falar de um pequeno mamífero:

Suricata

Ordem: Carnívora
Família: Herpestidae


Foto: Pessoal


Podem ser encontrados na África do Sul, Botsuana, Namíbia e Angola. O suricata é também popularmente conhecido de, suricato, suricate ou dopera. São muito Inteligentes, ensinando desde muito cedo os seus filhotes a caçar e a proteger o seu grupo.


Foto:Jazzywallpapers.com


O seu nome cientifico é Suricata suricatta. Têm um corpo esguio, cerca de meio metro de comprimento (incluindo a cauda), em média 730 gramas de peso, e a sua pelagem é acastanhada. Uma característica distinta é a sua capacidade de se elevarem nas patas traseiras, utilizando a cauda como terceiro apoio.


Foto:www.uhdwallpapers.org


Os suricates alimentam-se de pequenos artrópodes, principalmente escaravelhos e aranhas. Têm garras afiadas nas patas, que lhes permitem escavar a superfície do chão e tem dentes afiados para penetrar nas carapaças quitinosas das suas presas.

Foto:Jazzywallpapers.com


Estes animais são exclusivamente diurnos e vivem em colónias de até 40 indivíduos, que constroem um complicado sistema de túneis no subsolo, onde permanecem durante a noite. Dentro do grupo, os animais revezam-se nas tarefas de vigia e proteção das crias da comunidade.


Foto: 123hdwallpapers.com


O sistema social dos suricatas é complexo e inclui uma linguagem própria que parece indicar, por exemplo, o tipo de um predador que se aproxima.


Foto: Pessoal


Texto explicativo: Wikipedia

Fotos: 123hdwallpapers.com; Jazzywallpapers.com; www.uhdwallpapers.org; Pessoais

quinta-feira, 28 de julho de 2016

As Ondas





As ondas quebravam uma a uma
Eu estava só com a areia e com a espuma
Do mar que cantava só para mim.


Sophia de Mello Breyner Andresen



quarta-feira, 27 de julho de 2016

Aurora Boreal




Tenho quarenta janelas
nas paredes do meu quarto.
Sem vidros nem bambinelas
posso ver através delas
o mundo em que me reparto.
Por uma entra a luz do Sol,
por outra a luz do luar,
por outra a luz das estrelas
que andam no céu a rolar.
Por esta entra a Via Láctea
como um vapor de algodão,
por aquela a luz dos homens,
pela outra a escuridão.
Pela maior entra o espanto,
pela menor a certeza,
pela da frente a beleza
que inunda de canto a canto.
Pela quadrada entra a esperança
de quatro lados iguais,
quatro arestas, quatro vértices,
quatro pontos cardeais.
Pela redonda entra o sonho,
que as vigias são redondas,
e o sonho afaga e embala
à semelhança das ondas.
Por além entra a tristeza,
por aquela entra a saudade,
e o desejo, e a humildade,
e o silêncio, e a surpresa,
e o amor dos homens, e o tédio,
e o medo, e a melancolia,
e essa fome sem remédio
a que se chama poesia,
e a inocência, e a bondade,
e a dor própria, e a dor alheia,
e a paixão que se incendeia,
e a viuvez, e a piedade,
e o grande pássaro branco,
e o grande pássaro negro
que se olham obliquamente,
arrepiados de medo,
todos os risos e choros,
todas as fomes e sedes,
tudo alonga a sua sombra
nas minhas quatro paredes.

Oh janelas do meu quarto,
quem vos pudesse rasgar!
Com tanta janela aberta
falta-me a luz e o ar.


António Gedeão


terça-feira, 26 de julho de 2016

AVÓS em pintura para o DIA dos AVÓS




A ternura, o amor, o carinho e a paciência infinita dos AVÓS imortalizada em pinturas.

Um DIA muito Feliz para TODOS os AVÓS


Pintor: Felix Achlesinger

Pintor: Frederick Morgan

Pintor: Joseph Clark

Pintor: Georgios Biakovides

Pintor: Gaetano Bellei

Pintor: Frederick Morgan

Pintor: Gaetano Bellei

Pintor: Frederick Morgan

Pintor: Joseph Clark

Pintor: Hermann Werner


"Aprendemos a ser filhos depois que somos pais. Só aprendemos a ser pais depois que somos avós…" (Affonso Romano de Sant’Anna)

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Sacode as Nuvens - Poema de Sophia de Mello Breyner




Sacode as nuvens que te poisam nos cabelos,
Sacode as aves que te levam o olhar.
Sacode os sonhos mais pesados do que as pedras.

Porque eu cheguei e é tempo de me veres,
Mesmo que os meus gestos te trespassem
De solidão e tu caias em poeira,
Mesmo que a minha voz queime o ar que respiras
E os teus olhos nunca mais possam olhar.



Sophia de Mello Breyner





sábado, 23 de julho de 2016

Viagem à HOLANDA - Passeio de Barco pelos Canais




Da minha visita a Amesterdão, já mostrei, como foi o nosso sabado, passeando pelo Jardim Keukenhof, Museumplein, a Praça Dam, Oude Kerk, a Praça Nieuwmarkt terminando na Casa Museu Anne Frank. No domingo de manhã fomos conhecer a Vila dos Moinhos Zaanse Schans. Regressámos por volta da hora de almoço e fomos fazer um passeio de barco pelos canais holandeses. Existem várias empresas a fazerem estes passeios, nós escolhemos a empresa "Rederij Lovers".





A entrada para o barco era mesmo em frente à Central Station. Não conseguimos ir no barco que lá se encontrava, mas fomos  no seguinte e a espera não foi muita.






O nosso barco chamava-se " Nemo". Á entrada retiramos auscultadores, escolhemos a língua e depois foi ir apreciando a viagem.







Passamos pelo Museu do filme EYE, um museu dedicado exclusivamente a filmes.




O Palácio da Justiça




"Casas" dentro dos canais. Existem mais de 500 barcos que foram modificados para habitação, tem água, electricidade e estão ligados à rede de esgotos. Há alguns com um aspeto fantástico, outros mostram já o passar dos anos.





O edificio da Opera de Amesterdão.




É muito interessante ir observando os edificios ao longo dos canais, alguns são fantásticos





São mais de 1000 pontes e cerca de 100 Km de canais.








O barco atracou no lado contrário ao que tinhamos apanhado.

Foi um passeio muito agrádavel.




Depois fomos à procura de um local para almoçar, as ruas estavam repletas de pessoas.




Próxima Paragem: Bloemenmarkt, o Mercado das Flores

Fotos: pessoais