quarta-feira, 29 de junho de 2016

A estrela - Poema de Manuel Bandeiras



Vi uma estrela tão alta,
Vi uma estrela tão fria!
Vi uma estrela luzindo
na minha vida vazia.
 
Era uma estrela tão alta!
Era uma estrela tão fria!
Era uma estrela sozinha
Luzindo no fim do dia.
 
Por que da sua distância
Para a minha companhia
Não baixava aquela estrela?
Por que tão alta luzia?
E ouvi-a na sombra funda
Responder que assim fazia
Para dar uma esperança
mais triste ao fim do meu dia. 


Manuel Bandeiras


20 comentários:

  1. Maria gosto muito e sou fã incondicional deste poeta.
    Beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
  2. Olá, Maria... boa noite... na minha humilde opinião, vejo duas interpretações para o poema (bem escolhido,por sinal) A estrela-Manuel Bandeiras-, poderia ser uma mulher-um amor - impossível de conquistar ou uma pessoa distante , pois, uma estrela, tão alta,tão fria, é para ser apreciada , porém, impossível de tocar ou aproximar.
    Obrigado pelo carinho,Feliz semana,belos dias,beijos!

    ResponderEliminar
  3. Um belo poema de um poeta que desconhecia.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
  4. Fantástico poema! Obrigada e parabéns pela escolha.

    Beijo e um dia feliz.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Bom dia Maria
    Bonito Poema...
    Vim agradecer sua doce visita, lá no meu cantinho.
    Forte abraço... Fátima.

    ResponderEliminar
  6. Que poema lindo Maria
    Muitas vezes o nosso desejo fica apenas no sonho
    Um dia maravilhoso querida
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Querida Maria,

    Preciosa partilha, O mestre Manuel Bandeira domínio de excelência
    e inspiração poética, dominava a arte da expressão poética em todas
    as formas do soneto à poesia original. Este Mestre Poeta nasceu na minha
    cidade Recife.
    Grata por esta leitura, minha amiga!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Enquanto uma estrela brilhar no alto de um céu qualquer, nada estará perdido.

    Lindo, Manuel Bandeira!

    Um beijo

    Lídia

    ResponderEliminar
  9. Olá Maria
    Lindo e triste poema, mas muito profundo só um belo poeta como ele
    para poetizar tão belamente.
    bjs

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  10. Olá minha linda amiga, já faz tempo que aqui não vinha...pois é mas tudo tem uma explicação e a minha é desagradável pois o meu lamento foi lamentar para outra freguesia.
    Ainda o tentei recuperar mas nada feito não tive ajuda nenhuma nem do blogue nem do google fiquei furibunda da vida então olha foi rei morto rei posto para grandes males grandes remédios, só tenho pena foi que desta vez nem os comentário salvei, paciência amiga se me quiser seguir é por este que me segue tenho todo o gosto em recebe-la a princesinha Leonor deve de estar linda e desenvolvida espero bem.
    E é tudo por hoje agora tenho de andar há pesca dos amigos tenha um resto de bom dia aqui é feriado aí já foi...beijinhos de luz e muita paz.

    ResponderEliminar
  11. Um belíssimo poema. Gostei muito.
    Desejo que a amiga se encontre bem.
    Bjs.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  12. Boa noite Maria,
    Um poema magnífico de Manuel Bandeira que não conhecia.
    Todos nós temos ao logo da vida uma "estrela" que gostaríamos de alcançar, mas que sem mantém distante.
    Resta-nos a esperança que emana do seu brilho.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  13. Oi Maria!
    Que bom que ele não conseguiu alcançar a estrela e que por isso saiu esse poema lindo!
    Bjssss amiga

    ResponderEliminar
  14. Tão perto e tão longe ,mas a esperança renasce num brilho desta linda estrela ,beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Que delicia ler esse poema fzia
    tanto tempo que não lia, um sonho
    ver maravilhas por aqui

    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderEliminar
  16. Maravilhoso simplesmente...
    Já há algum tempo que não lia nada deste autor... adorei poder fazê-lo, por aqui...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.