terça-feira, 12 de abril de 2016

O Sol na Água Pousa - Poema de Armindo Rodrigues





Alado, o sol na água pousa
e dele treme a água amedrontada,
que a ardente imagem lhe devolve em rosa
e em si própria um distante sonho ousa
de céu amargo, que não sonha nada.


Armindo Rodrigues, in 'Sabor do Tempo (XVIII)'




 

9 comentários:

  1. E esse belíssimo pouso tão fascinante às vezes nos torna melancólicos
    Lindíssimo poema Maria
    Uma semana iluminada
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Hello Maria,
    Wonderful image with nice words.
    I wish you a nice day.

    Sweet greetings,
    Marco

    ResponderEliminar
  3. A poesia não precisa conter muitas palavras para se tornar bela!
    Gostei da sua escolha...bj

    ResponderEliminar
  4. Pequeno mas profundo! A imagem é divina

    Beijo e um dia feliz

    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderEliminar
  5. Linda poesia escolhida hoje! bjs, chica

    ResponderEliminar
  6. Boas tarde Maria,
    Um magnífico poema de um poeta que eu não conhecia!
    A imagem está em perfeita sintonia.
    Um beijinho e boa semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  7. Olá Maria! Belo e profundo poema, ricamente ilustrado com uma linda imagem. Ótima escolha! Parabéns!

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderEliminar
  8. Belíssimo ,parabéns pela linda escolha ,muitos beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Uma excelente escolha... de uma poeta que desconhecia!...
    Mais uma enriquecedora partilha!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.