terça-feira, 22 de março de 2016

Silêncio - Poema de David Mourão-Ferreira





Já o silêncio não é de oiro: é de cristal;
redoma de cristal este silêncio imposto.
Que lívido museu! Velado, sepulcral.
Ai de quem se atrever a mostrar bem o rosto!

Um hálito de medo embaciando o vidrado
dá-nos um estranho ar de fantasmas ou fetos.
Na silente armadura, e sobre si fechado,
ninguém sonha sequer sonhar sonhos completos.

Tão mal consegue o luar insinuar-se em nós
que a própria voz do mar segue o risco de um disco...
Não cessa de tocar; não cessa a sua voz.
Mas já ninguém pretende exp'rimentar-lhe o risco!


David Mourão-Ferreira, in "Tempestade de Verão"


10 comentários:

  1. Um belo poema de David Mourão-Ferreira.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Que lindo, não conhecia!
    Amei a tua escolha Maria, linda como sempre!
    Um ótimo dia!
    Beijos,
    mariangela

    ResponderEliminar
  3. Que poema espetacular. Um deleite essa leitura
    Um dia feliz e abençoado
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Um silêncio que tantas vezes nos faz questionar ,muito lindo ,beijinhos muitas felicidades querida amiga.

    ResponderEliminar
  5. Querida amiga, lindo poema. Beijokas

    ResponderEliminar
  6. Não conhecia este autor! Gostei imensamente!
    Feliz páscoa querida!

    ResponderEliminar
  7. Como sempre uma escolha espectacular de mais um grande autor!...
    Belíssimo!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.