quinta-feira, 3 de março de 2016

Fado Português - Poema de José Régio





O Fado nasceu um dia,
quando o vento mal bulia
e o céu o mar prolongava,
na amurada dum veleiro,
no peito dum marinheiro
que, estando triste, cantava,
que, estando triste, cantava.

Ai, que lindeza tamanha,
meu chão , meu monte, meu vale,
de folhas, flores, frutas de oiro,
vê se vês terras de Espanha,
areias de Portugal,
olhar ceguinho de choro.

Na boca dum marinheiro
do frágil barco veleiro,
morrendo a canção magoada,
diz o pungir dos desejos
do lábio a queimar de beijos
que beija o ar, e mais nada,
que beija o ar, e mais nada.

Mãe, adeus. Adeus, Maria.
Guarda bem no teu sentido
que aqui te faço uma jura:
que ou te levo à sacristia,
ou foi Deus que foi servido
dar-me no mar sepultura.

Ora eis que embora outro dia,
quando o vento nem bulia
e o céu o mar prolongava,
à proa de outro velero
velava outro marinheiro
que, estando triste, cantava,
que, estando triste, cantava.


José Régio, in 'Poemas de Deus e do Diabo'



12 comentários:

  1. Um belo poema de José Régio.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Que lindo, triste, mas lindos versos do fado!
    Amei ler amiga Maria, ah, a imagem é lindíssima!
    Abraços apertados!

    ResponderEliminar
  3. Maria Rodrigues,parabéns pelas imagens que você coloca em suas publicações.
    O encaixe dessa imagem e as palavras desse poema ficaram demais.
    Amei.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  4. Onde estiver o fado português, eu marco presença, ainda sou marinheiro caminhamos de mãos dadas!

    ResponderEliminar
  5. Lindo..Divino!!

    Beijo e uma excelente quinta-feira.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Maria, bonito poema sobre o fado!
    Música cantada com o coração melancólico...
    Meu abraço nesta quinta-feira.

    ResponderEliminar
  7. Bom dia amiga Maria estou feliz por novamente poder vir e ler seu posts lindos adoro fados e suas histórias encantadoras deixo meu carinho e abraço bjs marlene

    ResponderEliminar
  8. Um poema maravilhoso de José Régio, que associamos de imediato à voz de Amália que o cantou...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  9. Boa noite amiga!
    Que belo poema... Amei!
    Obrigada pela visita
    Beijos... Fátima.

    ResponderEliminar
  10. Que lindo Maria, triste sim, mas encontro na tristeza dos versos, da música, os sentimentos mais verdadeiros. É algo que brota lá do fundo da alma.
    Beijos, querida.

    ResponderEliminar
  11. Oi Maria,
    maravilhoso poema e uma sexta feira linda e abençoada.

    Bjs

    Tânia Camargo

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.