quarta-feira, 16 de março de 2016

Azul - Poema de Saúl Dias


Adivinhei-te
através da verdura azul,
colhendo as flores
que iam abrir na próxima primavera.

Eu era o andarilho sem cansaço,
os bolsos cheios de tesoiros desprezados:
os seixos
que as águas modelaram durante milhões de anos,
as asas
que as borboletas entregaram aos ventos,
as sementes
que entram pelas janelas dos comboios e querem
dialogar connosco…

(Um raio de sol
acariciava a tua face
através da verdura azul!...)

Saúl Dias





10 comentários:

  1. Um azul celeste ,maravilhosa partilha ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderEliminar
  2. Boa noite, Maria.
    O andarilho tem objetivo, segue seu curso com fé, olha para o Alto e vê a beleza rara iluminando teu ser.
    Bela escolha.
    Beijos na alma e paz.

    ResponderEliminar
  3. Muy hermosas coloridas y bellas palabras.
    Besitos de colores feliz día, amiga.

    ResponderEliminar
  4. Poema azul de sensibilidade mágica.
    Parabéns pela escolha.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  5. Olá, Maria.
    Uma carícia de um raio de sol ;)

    um bj amg

    ResponderEliminar
  6. Es un bellísimo poema, María. Tienes muy buen gusta a la hora publicar algo.
    Mi feli citación, mi estima y gratitud.

    Un abrazo, y se muy feliz.

    ResponderEliminar
  7. Um poema de sonho... que adorei descobrir, Maria!...
    Lindíssima escolha, como sempre!...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.