sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Floriram por engano as rosas brancas - Poema de Camilo Pessanha





Floriram por engano as rosas bravas
No Inverno; veio o vento desfolhá-las ...
Em que cismas, meu bem ? Porque me calas
As vozes com que há pouco me enganavas?

Castelos doidos! Tão cedo caíste!...
Onde vamos, alheio pensamento,
De mãos dadas? Teus olhos, que num momento
Prescrutaram nos meus, como vão tristes!

E sobre nós cai nupcial a neve,
Surda, em triunfo, pétalas, de leve
Juncando o chão, na acrópole de gelos...

Em redor do teu vulto é como um véu!
Quem as esparze - quanta flor - do céu,
Sobre nós dois, sobre os nossos cabelos?



Camilo Pessanha


4 comentários:

  1. Bonito poema, amiga Maria. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Lindo poema Maria, suas postagens sempre ótimas.
    Bom fim de semana.
    beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
  3. Minha amiga Maria.
    Hoje ~b temos como fazer visitas como era antigamente ,
    mais as pessoa que foram muito especial jamais deixarei de vistar.]Que Deus abençoe sua semana beijos,]Evanir

    ResponderEliminar
  4. Um belo e delicado poema... e uma delicia para os olhos, as suas escolhas, em matéria de suporte visual, Maria...
    Adorei tudo!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.