quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Para Sempre




Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
— mistério profundo —
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.


Carlos Drummond de Andrade, in 'Lição de Coisas'



11 comentários:

  1. Bom dia Maria Rodrigues
    Lindo de mais este poema!
    Amei ...

    Beijinho e um dia feliz

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Um belo e magnifico poema e estou completamente de acordo com Drummond de Andrade.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
  3. Bom dia, mãe é e será sempre mãe, conheço bem a dor e a saudade que fica para sempre no nosso coração.
    AG

    ResponderEliminar
  4. Comovente este poema de Drummond de Andrade. Quem dera que pudesse ser assim...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Já conhecia e gostei de reler. É muito bonito.

    ResponderEliminar
  6. Querida Maria
    Cada palavra do Drummond nos comove porque mãe é sempre MÃE e nunca deveria se apartar de um filho
    Mas no nosso coração ela está presente e isso nenhuma ausência será capaz de apagar
    Beijos e carinhos

    ResponderEliminar
  7. Que poema que lição Maria Rodrigues. Mãe não terá vaidade, mesmo com um panegírico destes, dum poeta como Drummond de Andrade. O orgulho dela são os filhos.
    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Para mim pessoalmente é a pessoa mais preciosa que tenho neste mundo ,lindo momento querida amiga ,beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Maria, desculpa eu quis vir várias vezes comentar, mas não consegui pois uma dor forte assolou meu coração, você perdeu sua mãe, é terrível. Eu em quarenta e cinco dias perdi pai e mãe( prefiro não falar do triste episódio). Pelo Google entrei várias vezes aqui...mas, saí...não consegui e chorei.
    Desculpa, sua mãezinha está no céu, não sofre mais.
    Beijos
    Dorli

    ResponderEliminar
  10. Poema deveras emocionante!... Quem dera que efectivamente nunca perdêssemos... quem mais nos ama...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.