quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Ondas do mar


A voz do mar entende-a quem do mar
viveu as tempestades e as bonanças,
quem nele pôs cuidados, esperanças,
quem lhe deu seu riso, o seu penar.

Quem fez o seu jardim, o seu pomar,
de búzios, de corais, de areias mansas,
quem ergueu sobre as ondas o seu lar
e por ele cruzou ferros e lanças.

Quem sabe de marés, de luas-cheias
e não teme os tritões nem as sereias
nem, de Neptuno, as barbas e o tridente.

A sua voz entende-a quem, de Sagres,
se fez ao mar em busca de milagres,
- todos nós, neste barco do Ocidente.


Fernanda de Castro


10 comentários:

  1. Belíssimo o soneto de Fernanda de Castro...
    Você tem bom gosto, Maria!
    Beijos!

    ResponderEliminar
  2. Adorei este poema!

    Beijinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Ótimo soneto, muito bom! Beijos, Maria. Belíssimo blog!

    ResponderEliminar
  4. Magnifico e belo poema com cheiro a maresia e descobertas.
    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  5. Um belo poema de Fernanda de Castro a lembrar o mar que todos temos na memória...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. um soneto muito bem escolhido.
    um bom final de semana.
    beijo
    :)

    ResponderEliminar
  7. Oi querida amiga Maria, como está? E sua mãe?
    Espero que bem!!
    Que lindas imagens, me apaixonei! rs
    Amo o mar, é muito lindo!
    Beijos e tenha um excelente final de semana!! FIQUE COM DEUS!!

    ResponderEliminar
  8. Belíssimo poema! Por um tempinho... também farei do mar o meu jardim...
    Bjs! Até breve!
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.