sexta-feira, 31 de julho de 2015

O Rio - Poema de Manuel Bandeira



Ser como o rio que deflui
Silencioso dentro da noite.
Não temer as trevas da noite.
Se há estrelas no céu, refleti-las.


E se os céus se pejam de nuvens,
Como o rio as nuvens são água,
Refleti-las também sem mágoa
Nas profundidades tranquilas.

Manuel Bandeira
In: "Estrela da vida inteira"






8 comentários:

  1. Olá Maria!
    Lindo poema, Manuel Bandeira foi um mestre em entender a alma humana!
    Beijos e ótimo final de semana pra ti! =)
    www.deliciasdavodeo.com.br

    ResponderEliminar
  2. É lindo mesmo esse poema!
    Parabéns pela escolha dele no post!
    Bjssss amiga e um belo FDS p/vcs

    ResponderEliminar
  3. Boa escolha no poema. Divino.

    Beijinhos, bom fim de semana

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Que as noites sejam tranquilas,
    no céu brilhem as estrelas e lua
    que os dias sejam maravilhas
    haja saúde, paz, amor e ternura!

    Boa noite, bons sonhos e bom fim de semana amiga Maria, um beijo.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  5. Palavras que inspiraram Paulo Coelho no seu livro... "Ser como um rio que flui", que adorei ler...
    Fantástica escolha, Maria!
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.