sexta-feira, 10 de abril de 2015

Tardes inventadas




As tardes inventei-as.

Fulgurantes umas,
sonolentas outras,
quentes ou arrepiantes
e todas
geradoras de instantes
impossíveis...

Atiro um braço ao ar
e quero que ele prendauma estrela,
um cometa,o floco de renda
de mil cassiopeias...

É dia e há luar...

As tardes inventei-as.

Saúl Dias


3 comentários:

  1. Olá querida amiga: Gostei muito do poema e acho até que vou plagiar o poeta e inventar tardes maravilhosas onde as tristezas não tenham espaço, que sejam tardes de primaveras e com muitas cores.
    Embora suas escolhas já me levem a tardes alegres.
    beijinhos,
    Léah

    ResponderEliminar
  2. oi minha amiga,

    ah,o luar é sempre inspirador...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Lindas as tardes de Saúl Dias.

    Minha querida Maria tem um bom fim de semana.

    Beijinho

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.