domingo, 12 de abril de 2015

Como as gaivotas




Esta onda cansada
depois do vendaval,
cheira à praia molhada,
cheira a marisco, a sal.

Traz notícias recentes
de centenas de milhas.
Inundou continentes,
brutal, desflorou ilhas.

Corais, búzios vazios,
conchas, algas em feixes,
destroços de navios
e carcaças de peixes.

Tudo à praia aportou:
bússola, gávea e leme.
A sereia apitou,
agora a onda geme.

Ante-aurora. Acordada,
sonho impossíveis rotas:
partir, de madrugada,
livre como as gaivotas.


 Maria Fernanda Telles de Castro       




                


13 comentários:

  1. O apelo do mar e do voo livre das gaivotas.
    Um belo poema a enfeitar este domingo que
    se apresenta agradável. :)
    Bj
    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Um belo poema. Vou anotar o nome da autora.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
  3. Poema doce e gostoso, como um domingo de manhã...

    ResponderEliminar
  4. Oi Maria! Passando para te cumprimentar e apreciar este belo poema, com ênfase para a estrofe abaixo:

    Corais, búzios vazios,
    conchas, algas em feixes,
    destroços de navios
    e carcaças de peixes.

    Beijos e muita paz para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  5. Olá Maria! Eis que mais uma vez, aqui me faço presente para me deliciar com a leitura deste belo poema da Maria Fernanda Telles de Castro. São os reclamos da Natureza pelas agressões que lhe são impostas pelo homem.

    Beijos e um ótimo domingo para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderEliminar
  6. Maria, nome da poetisa Maria Fernanda Telles de Casto, é desconhecido. Isso não obsta a deixe aqui os meus parabéns, pele opção tomada.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Lindo!!! Um belo poema...
    Gosto das gaivotas, mas das que via na praia de Angeiras, no seu habitat natural, não das cidadãs.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  8. Oii
    Que lindo este poema, adorei
    Vou voltar mais vezes para te acompanhar

    Estou te seguindo!
    Bjoss *--*
    http://www.perseguindomeussonhos.com.br/

    ResponderEliminar
  9. Um lindo poema como as ondas do mar beijando a areia.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  10. "Essa onda cansada,
    sonha acordada,
    partir de madrugada"...
    Achei lindo!
    Beijo.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.