terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Cisnes Brancos - Poema de Alphonsus de Guimaraens


Ó cisnes brancos, cisnes brancos,
Porque viestes, se era tão tarde?
O sol não beija mais os flancos
Da Montanha onde mora a tarde.

Ó cisnes brancos, dolorida
Minh’alma sente dores novas.
Cheguei à terra prometida:
É um deserto cheio de covas.

Voai para outras risonhas plagas,
Cisnes brancos! Sede felizes...
Deixai-me só com as minhas chagas,
E só com as minhas cicatrizes.

Venham as aves agoireiras,
De risada que esfria os ossos...
Minh’alma, cheia de caveiras,
Está branca de padre-nossos.

Queimando a carne como brasas,
Venham as tentações daninhas,
Que eu lhes porei, bem sob asas,
A alma cheia de ladainhas.

Ó cisnes brancos, cisnes brancos,
Doce afago da alva plumagem!
Minh’alma morre aos solavancos
Nesta medonha carruagem...

Quando chegaste, os violoncelos
Que andam no ar cantaram no hinos.
Estrelaram-se todos os castelos,
E até nas nuvens repicaram sinos.

Foram-se as brancas horas sem rumo,
Tanto sonhadas! Ainda, ainda
Hoje os meus pobres versos perfumo
Com os beijos santos da tua vinda.

Quando te foste, estalaram cordas
Nos violoncelos e nas harpas...
E anjos disseram: - Não mais acordas,
Lírio nascido nas escarpas!

Sinos dobraram no céu e escuto
Dobres eternos na minha ermida.
E os pobres versos ainda hoje enluto
Com os beijos santos da despedida.


Alphonsus de Guimaraens


8 comentários:

  1. Que sensível este seu post. Gostei muito.
    Gosto muito de cisnes e portanto fiquei muito feliz
    ao ler este seu post.
    Desejo que a amiga se encontre bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  2. Oi Maria querida, que poema lindo!
    Parabéns pela sensibilidade na escolha.
    Bjsssssss amiga

    ResponderEliminar
  3. Maria Rodrigues

    Não conheço o poeta, que apresentas, em poema em forma de queixume. É para mim mais uma boa experiência em versão poética.
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Oi Maria, que lindo poema! Lindas imagens também!
    Querida, como vaia sua mãe? Espero que esteja melhor!
    Tenha uma excelente semana, beijos e fique com Deus!!

    ResponderEliminar
  5. E quem não aprecia os cisnes? A imponência do seu porte, a leveza no seu navegar, a altivez do seu olhar e a beleza da sua "cor", fazem-nos parar e pensar .
    A leveza melancólica da poesia com a suavidade - às vezes...- desta plumagem.
    Como sempre, postagens com o seu cunho tão pessoal, Maria. Lindas!
    Beijinho meu

    Curiosidade...

    https://www.youtube.com/watch?v=Dc60K8hyG5M

    ResponderEliminar
  6. Adoro cisnes e as imagens são belíssimas.
    Quanto ao poema, muito belo também embora triste.
    Um poeta que não conheço bem.

    beijinho amiga Maria

    ResponderEliminar
  7. Poema belíssimo,querida amiga Maria.Não conhecia e encantei-me.

    Amo poemas sobre cisnes que no poema de Julio Salusse,"Os Cisnes",só têm 1 par durante toda a vida.


    Meu marido vai operar pela quarta vez e espero que última,em fevereiro ainda ou início de março.

    Agora com um expert urologista e Deus queira que termine nossa jornada de doença e hospitais.

    Obrigada por sempre perguntar e se interessar por ele.Amizade é isso,amiga!Compartilhar alegrias e momentos não tão felizes.

    Obrigada pela visita,volte sempre!


    Beijos e uma semana de alegrias

    Donetzka

    Face Book:

    https://www.facebook.com/donetzka.cercck

    Twitter: @donetzka13

    Instagram: @donetzka


    http://instagram.com/donetzka

    Flickr(Minha galeria de imagens):

    https://www.flickr.com/photos/123498631@N06/

    Youtube (Meu canal):

    http://www.youtube.com/channel/UCnVpBs2C-vL6fd1BaRH3lrA/about


    Blog Magia de Donetzka









    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.