quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

A força dos nossos pés





Desde o dia em que tu nasceste, eu criei a ilusão dentro de mim, que poderia caminhar por ti.

Imaginei que colocaria teus pés sobre os meus e te levaria pelos caminhos que eu julgasse mais tranquilos e seguros.

Dessa maneira, tu nunca feririas teus pés pisando em espinhos ou em cacos de vidro e jamais te cansarias da caminhada. Nem mesmo precisarias decidir qual estrada tomar. Isso seria eternamente minha responsabilidade.

E foi assim durante um bom tempo. Caminhei por ti e para ti.

Então, o tempo veio me avisar bruscamente que essa deliciosa tarefa não faria mais parte dos meus dias.

Teus pés cresceram e eu já não conseguia mais equilibrá-los em cima dos meus e, quando eu menos esperava, eles escorregaram e alcançaram o solo.

Hoje sou obrigado a vê-los trilhar caminhos nos quais os meus jamais os levariam e ainda tento detê-los insistentemente, mas só consigo raríssimas vezes.

Agora só me é permitido correr com os meus junto aos teus e, em certos momentos, teus passos são tão largos que quase não posso acompanhá-los.

Atualmente assisto aos teus tropeços sempre pronto a levantar-te das tuas quedas.

Por vezes, tu me estendes as mãos em busca de socorro.

Outras, mesmo estando estirado ao chão e ferido, insistes em levantares sozinho para me provar que já és capaz de te erguer, após teus tombos e curares as próprias feridas.

Assim vamos vivendo e sinto uma saudade imensurável daquele tempo que precisavas de mim para te conduzir, pois era bem mais fácil suportar teu peso sobre meus pés do que sobre o meu coração.

No entanto, já consigo compreender como a vida é sábia.

Percebo, finalmente, que em algum momento tu precisarias mesmo desbravar teus caminhos independente de mim.

Como eu, é provável que tenhas que fazê-lo com mais alguns pés sobre os teus, os dos teus filhos.

Claro que não é uma tarefa fácil. Mas se eu consegui, tu também conseguirás porque plantei em teu coração o melhor e mais poderoso aditivo para que suportes tanto peso: o amor.

Autor: desconhecido

11 comentários:

  1. Um texto que poderia ser de todos nós. Qualquer pai/mãe carrega por um tempo estes sonhos. Quando os passos dos filhos lhe fogem para fazerem a própria caminhada agarram-se aos filhos dos filhos querendo a todo o tempo ser-lhes o braço do amor e da experiência numa caminhada que é apenas de cada pessoa.
    Maravilhoso poder acordar nesta relação que dá sentido aos nossos dias.

    ResponderEliminar
  2. Maria: Seja quem for o autor esta ai um belo texto com uma linda história sempre foi assim e assim será criei os dois filhos e sempre estive e continuo a estar ao lado deles sempre que eles precisem ou não de mim agora acompanho o meu príncipe que é o meu neto ainda há pouco tempo cheguei a casa de o ir levar à escolinha. è para mim uma eterna alegria te-lo cá em casa quando os pais não podem porque estão a trabalhar.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  3. oi Maria,

    sempre queremos poupar nossos filhos,
    mas ensinar é deixá-los caminhar com os próprios pés...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Que mensagem linda de amor ais filhos. Amei.

    ResponderEliminar
  5. Linda mensagem...Querida Maria vim te deixar um grande abraço. :)

    ResponderEliminar
  6. PASSAR POR AQUI É ENRIQUECER A ALMA. PASSAR POR AQUI É RENOVAR NOSSA INSPIRAÇÃO. UM FRATERNO ABRAÇO A AMIGA, QUE DEUS CONTINUE TE ILUMINANDO.

    ResponderEliminar
  7. PASSAR POR AQUI É ENRIQUECER A ALMA. PASSAR POR AQUI É RENOVAR NOSSA INSPIRAÇÃO. UM FRATERNO ABRAÇO A AMIGA, QUE DEUS CONTINUE TE ILUMINANDO.

    ResponderEliminar
  8. Maravilhoso , amei de paixão .
    Tomei a liberdade de levar o link lá na minha postagem espia! bjssss

    ResponderEliminar
  9. As avezinhas, aos poucos, vão ganhando dimensão no voo, e aí não há que segurá-las, por mais que o nosso coração tente ir atrás. Há que deixá-las ir, o mundo espera por elas. Não há outra forma de crescerem.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.