sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Soneto XXXIII - William Shakespeare





Já vi muitas manhãs gloriosas cobrirem
Os cumes das montanhas com o olhar soberano,
Beijando com a tez dourada o verde dos campos,
Colorindo pálidos córregos com a divina alquimia,
Não permitindo que as nuvens baixas vaguem
Com aspecto horrendo sobre a face celestial,
E do mundo distante esconder sua visagem,
Fugindo, despercebido, para o Oeste em desgraça.
Mesmo assim, meu sol brilhou cedo, um dia,
Em todo o seu esplendor triunfante sobre o cenho;
Porém, ó dor, ele apenas foi meu por uma hora –
As brumas encobriram-no totalmente agora.
Embora ele, por isso, desdenhe o meu amor;
Os sóis do mundo manterão a sua mácula.
William Shakespeare

4 comentários:

  1. Sempre muito bom, revisitar o Bardo Inglês, seja nos seus dramas ou poesias.. Lindos: soneto e imagem!
    Beijo, Maria...

    ResponderEliminar
  2. Belo poema do William Shakespeare. A natureza é a grande inspiração dos poetas.
    Imagem fantástica.
    Deixo um beijo Maria!
    Excelente final de semana!

    ResponderEliminar
  3. Felicidade com fartura,
    tenha por onde anda
    muito amor e ternura
    bom fim de semana!

    Para você uma beijo amiga Maria.
    Eduardo.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.