sábado, 17 de janeiro de 2015

Jardin du Luxembourg



O Jardin du Luxembourg, é o segundo maior parque público em Paris, tendo 224.500 m². Pertence atualmente ao Senado da França, que está sediado no famoso Palácio do Luxemburgo.


Foto: wikipedia_Thesupermat

Foto: wikipedia_Gamblrob


Em 1611, Maria de Médicis, viúva de Henrique IV e regente para o rei Luís XIII decidiu construir uma réplica do Palácio Pitti da sua terra natal, Florença. Comprou o Hotel du Luxembourg ( hoje o palácio Petit- Luxemburgo) e iniciou a construção do novo palácio. Encomendou a obra a Salomon de Brosse. Em 1612 plantou 2.000 ulmeiros, e dirigiu uma série de jardineiros, principalmente Tommaso Francini, para construir um parque no estilo que ela tinha conhecido quando era criança, em Florença. 


Foto: wikipedia_DinKum

Foto: wikipedia_Charsam

Foto: wikipedia_Jean-Alexis


Francini planeou dois terraços com balaustradas e canteiros estabelecidos ao longo o eixo do castelo, alinhados em torno de uma bacia circular. Ele também construiu a Fonte de Medici , a leste do palácio com uma gruta artificial.


Foto: wikipedia_Francis Bourgouin

Foto: wikipedia_AlfvanBeem


O jardim original tinha apenas oito hectares de tamanho. Em 1630 ela comprou mais terras e ampliou o jardim para trinta hectares. Confiou a obra de Jacques Boyceau de la Barauderie.


Foto: wikipedia_Remi Jouan

Foto: wikipedia_Wflorrain


Os monarcas posteriores negligenciaram o jardim. Em 1780, o Conde de Provença, futuro Luís XVIII, vendeu a parte oriental do jardim para o desenvolvimento imobiliário. Após a Revolução Francesa, no entanto, os líderes do Diretório francês ampliaram o jardim em quarenta hectares, por confiscação de terras à ordem religiosa vizinha. O arquiteto Jean Chalgrin, (o arquiteto do Arco do Triunfo), assumiu a tarefa de restaurar o jardim. Ele refez a Fonte de Medici, preservou o famoso “pepiniere”, ou viveiro da ordem dos Cartuxos, as velhas vinhas, e manteve o jardim em estilo francês formal. 


Foto: wikipedia_Yair-haklai-Henri

Foto: wikipedia_Kmlz


Durante e depois da Monarquia de Julho de 1848, o parque tornou-se o lar de uma grande população de estátuas, primeiro de Rainhas e mulheres famosas da França, alinhadas ao longo dos terraços, em seguida, em 1880 e 1890, com monumentos a escritores e artistas.


Foto: wikipedia_Nicki Dugan

Foto: wikipedia_Daderot


Em 1865, durante a reconstrução de Paris por Luís Napoleão, a rue de l' Abbé de l' Epée, ( agora rue Auguste -Comte ) foi prorrogado para o parque, cortando cerca de quinze hectares, incluindo o antigo viveiro do jardim. Com a construção de novas avenidas também foi necessário deslocar e reconstruir a Fonte de Medici para a sua actual localização. Durante essa reconstrução, o diretor de parques e avenidas de Paris, Gabriel Davioud, construiu novos portões ornamentais e cercas em torno do parque, bem como casas de jardim. Também transformou o que restava do antigo viveiro Chartreux, na extremidade sul do parque, num jardim Inglês com caminhos sinuosos, e plantou um jardim de fruta no canto sudoeste. Manteve o padrão geométrico regular dos caminhos e becos.


Foto: wikipedia_Dinkum

Foto: wikipedia_Dinkum


O jardim no final do século XIX continha um teatro de marionetes, um quiosque de música, estufas, um apiário ou casa de abelha, uma Orangerie também usada para a exibição de escultura e arte moderna (usado até a década de 1930 ); um jardim de rosas,  pomar  e cerca de setenta obras de escultura.


Foto: www.theflews.com

Foto: wikipedia_Thesupermat


Um jardim pleno de encanto, um local muito apreciado por todos os parisienses.

Fontes e Fotos: Wikipedia; hdwallpappers.com; freephotooftheday.clientk.com; www.theflews.com; www.visoflora.com; Outros net.

* Fotos / Photographs INFORMATION
Se alguma fotografia for sua e não pretender a sua divulgação, por favor queira contactar-me que irei retirá-la imediatamente. Não é de maneira nenhuma minha intenção quebrar direitos de autor.

If some photograph is your and you don’t want is disclosure, please contact me, and I will immediately remove it. It is not my intention to break copyrights.

Foto: www.visoflora.com


Não podendo conhecer ao "vivo" todos os incriveis locais do nosso planeta, podemos sempre viajar através de fotografias e de texto. A net é o meu meio de alargar os horizontes, de conhecer sitios muitas vezes longínquos, outras bem mais pertinho, mas sempre locais com uma beleza muito especial e própria que encantam o olhar e ajudam a aliviar a alma. O meu sincero OBRIGADO a todos os fotografos que permitem a todos nós divagar.


13 comentários:

  1. Já estive neste jardim. Sentámo-nos numa esplanada para tomar um café um crepe! Só vimos parte dele. Assistimos a parte de um concerto... a parte final. Gostaria de o revisitar.

    ResponderEliminar
  2. Estar "ao vivo" nos inúmeros lugares que desejamos conhecer, torna-se impossível. Assim, a oportunidade de hoje conhecer, mais detalhadamente, o Jardim de Luxemburgo foi ímpar. A postagem está belíssima! Obrigada, Maria! Beijos!

    ResponderEliminar
  3. Quanto de lindo há para ser visto por lá! E independe da estação do ano! bjs praianos,chica

    ResponderEliminar
  4. Olá, Maria Rodrigues.

    Escrever, que a postagem, é linda. É redundância.
    Um abraço, desde o Brazil.

    ResponderEliminar
  5. Um jardim único e lindíssimo.
    Bom domingo e boa semana, querida amiga Maria.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. MUITO LINDO! Enriquecedora história tb.Parabéns.

    ResponderEliminar
  7. Já lá estive. É uma maravilha!
    Bom domingo

    ResponderEliminar
  8. É sempre um grande prazer ver estas reportagens e aprender com tudo o que explica tão bem. Obrigada.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. Maria: Adorei ver estas belas imagens bem como os comentários, tenho la família no Luxemburgo.
    Beijos.
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  10. Maria Rodrigues
    É famoso o monumental jardim do Palácio do Luxemburgo. Já conhecia um pouco por uma leitura, profissionalizante. Agora aqui tive o prazer de acrescentar mais ao meu conhecimento.

    A razão do sumiço que, ora protagonizei, teve a ver com a necessidade de fazer uma pausa.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Esse eu conheço ao vivo, já lá estive umas três vezes. É lindo!
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Jardins sempre encantam não importa se pequenos ou imensos... Quando lá estive, vi canteiros de tulipas de todas as cores... acho que todos os anos trocam as flores... Adorei a postagem, lembro de quando ia ler nesse jardim...
    Maria, beijos.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.