quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O Poema original - Poema de Ary dos Santos



Original é o poeta
que se origina a si mesmo
que numa sílaba é seta
noutra pasmo ou cataclismo
o que se atira ao poema
como se fosse ao abismo
e faz um filho às palavras
na cama do romantismo.
Original é o poeta
capaz de escrever em sismo.

Original é o poeta
de origem clara e comum
que sendo de toda a parte
não é de lugar algum.
O que gera a própria arte
na força de ser só um
por todos a quem a sorte
faz devorar em jejum.
Original é o poeta
que de todos for só um.

Original é o poeta
expulso do paraíso
por saber compreender
o que é o choro e o riso;
aquele que desce à rua
bebe copos quebra nozes
e ferra em quem tem juízo
versos brancos e ferozes.
Original é o poeta
que é gato de sete vozes.

Original é o poeta
que chega ao despudor
de escrever todos os dias
como se fizesse amor.

Esse que despe a poesia
como se fosse mulher
e nela emprenha a alegria
de ser um homem qualquer.


Ary dos Santos, in 'Resumo'



8 comentários:

  1. Poemas que nos tiram as palavras para tentar ficar apenas com o poema de Ary dos Santos.

    ResponderEliminar
  2. Eu levei, amiga!
    É belo por demais...
    Lindo dia!!!

    ResponderEliminar
  3. Com a marca de Ary dos Santos e está tudo dito...Simplesmente maravilhoso.

    Deixo cumprimentos

    Estou por aqui:

    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/


    ResponderEliminar
  4. o poema é original
    e o Poeta, é único

    beijinho, Maria

    ResponderEliminar
  5. Não me limitei a ler este belo poema de Ary dos Santos, mas, sim todos os posts desde a última visita que aqui fiz. Parabéns ao Pedro e a todos vós; o lugar é maravilhoso e os pratos parecem uma delícia. pena ser em Lisboa!!!. O jardim é um assombro com as suas formas matemáticas; sempre detestei esta disciplina, mas não será por isso que deixarei de considerar este jardim belíssimo. Mas...o que mais me fascinou foi mesmo o poema. " Mensagem das Rosas. que nos mostra o quanto é fácil viver com amor; basta um simples gesto para ver um belo sorriso nos lábios de alguém; não precisa sequer de ser uma rosa...uma simples florzinha do campo é o suficiente para alegrar um coração triste. Obrigada, Maria por tão belas fotos e maravilhosos poemas. Um beijinho e até sempre
    Emília

    ResponderEliminar
  6. Forte e cheio de intencionalidade como todos os poemas do Ary. Que pena ter morrido tão cedo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Adoro os poemas de Ary dos Santos!

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.