domingo, 21 de setembro de 2014

Misticismo - Poema de Alfredo Brochado



Há dias, ao passar nas alamedas
Da minha terra, ao darem as trindades,
Pisando folhas, como velhas sedas,
Com os meus olhos cheios de saudades,

Há dias, quando eu fui nem sei por onde,
Entre lírios e tristes açucenas,
Às horas em que o sol de nós se esconde,
E repicam os sinos às novenas,

Há dias, quando eu fui na tarde exangue,
Ouvindo a minha voz interior,
Faziam recordar gotas de sangue
Os derradeiros raios do sol-pôr.

Bendita sejas, tarde harmoniosa,
Tarde da minha fé e do meu desejo,
Branda como uma pétala de rosa,
Ou como o aroma de um antigo beijo.

Alfredo Brochado, in "Bosque Sagrado”



5 comentários:

  1. Olá, querida Maria
    Um lindo momento vivi aqui ao ler o seu post com o poema...
    Bjm florido por aqui

    ResponderEliminar
  2. oi minha amiga,

    que lindo,
    não conhecia,adorei...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Lindo poema!
    ˚ ' Que a doçura de que tanto falamos tome conta do nosso ser e nos molde, afim de que possamos fazer do mundo um lugar melhor pra se viver "
    (Arnalda Rabelo)
    Uma linda semana para vc!
    Bjssssssssssssssssssssssssssss

    ResponderEliminar
  4. Maria...um belo poema...bem verdejante....bem romântico!
    Gostei...bj

    ResponderEliminar
  5. Maria Rodrigues, poema muito refletivo, pelo menos, para quem é um desenrizado, como eu sou. Não sinto nada pela aldeia onde nasci e vivi, em permanência, até aos vinte anos.
    Beijinhos

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.