sábado, 12 de julho de 2014

Tempo de Poesia - Poema de António Gedeão




Todo o tempo é de poesia.

Desde a névoa da manhã
à névoa do outro dia.

Desde a quentura do ventre
à frigidez da agonia.

Todo o tempo é de poesia.

Entre bombas que deflagram.
Corolas que se desdobram.
Corpos que em sangue soçobram.
Vidas que a amar se consagram.

Sob a cúpula sombria
das mãos que pedem vingança.
Sob o arco da aliança
da celeste alegoria.

Todo o tempo é de poesia.

Desde a arrumação do caos
à confusão da harmonia.



António Gedeão




11 comentários:

  1. Lindas palavras... em tudo há poesia...
    Desconhecia o poeta.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  2. Na felicidade a poesia é mais um momento de prazer na adversidade ela é o sonho que não queremos abandonar.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Gedeão é, para mim, um poeta do real, do quase quotidiano... à sua maneira, um poeta que interpretava a vida antes de a corporizar em frases poéticas com a simplicidade com que debitava as suas sessões de mestre.
    Não foi um poeta difícil, porque um poeta inspirado.

    ResponderEliminar
  4. Maria, Bom Sábado!
    Linda poesia! Poetar sempre... Extravasar versos de esperança e AMOR...

    Beijinhos,,,

    ResponderEliminar
  5. Adoro António Gedeão. Lindo poema, bela escolha.
    Tenha um bom fim de semana, Maria.
    Beijos,
    Renata

    ResponderEliminar
  6. Que linda poesia à poesia...
    Beijo querida e um final de semana maravilhoso.

    ResponderEliminar
  7. Maria ...sábias palavras que fazem deste poema uma verdadeira poesia! Bj

    ResponderEliminar
  8. Rómulo de Carvalho sempre escreveu bela poesia. Este poema é um exemplo. Adorei reler.
    BFS e um beijinho. D

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. Boa escolha.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  10. É como em teu blog: há poesia em cada cantinho, em cada imagem escolhida, em cada mensagem partilhada!
    Lindo, Virginia!!!!
    Beijos!

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.