quarta-feira, 4 de junho de 2014

Epígrafe - Poema de Eugénio de Castro





Murmúrio de água na clepsidra gotejante,
Lentas gotas de som no relógio da torre,
Fio de areia na ampulheta vigilante,
Leve sombra azulando a pedra do quadrante,
Assim se escoa a hora, assim se vive e morre...

Homem que fazes tu? Para quê tanta lida,
Tão doidas ambições, tanto ódio e tanta ameaça?
Procuremos somente a Beleza, que a vida
É um punhado infantil de areia ressequida,
Um som de água ou de bronze e uma sombra que passa...


Eugénio de Castro


5 comentários:

  1. Excelente escolha!
    A vida é nada mais que um sopro...

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Maria Rodrigues

    Sempre demonstras grande sensibilidade na opção poética, como aconteceu, na escolha de Eugénio de Andrade.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Sem dúvida , apenas uma sombra que passa! bjsss

    ResponderEliminar
  4. Esse poema é lindo, e tudo mesmo é como uma sombra que passa, feliz dia, beijos

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde Maria, um poema lindo que contém uma mensagem bem verdadeira.
    A vida acontece e passa como uma aragem!
    É bom aproveitarmos ao máximo o que de melhor ela nos oferece.
    Um beijinho.
    Ailime
    Ailime

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.