segunda-feira, 5 de maio de 2014

Ar de Noturno - Poema de Federico Garcia Lorca



Tenho muito medo
das folhas mortas,
medo dos prados
cheios de orvalho.
eu vou dormir;
se não me despertas,
deixarei a teu lado meu coração frio.

O que é isso que soa
bem longe ?
Amor. O vento nas vidraças,
amor meu !

Pus em ti colares
com gemas de aurora.
Por que me abandonas
neste caminho ?
Se vais muito longe,
meu pássaro chora
e a verde vinha
não dará seu vinho.

O que é isso que soa
bem longe ?
Amor. O vento nas vidraças,
amor meu !

Nunca saberás,
esfinge de neve,
o muito que eu
haveria de te querer
essas madrugadas
quando chove
e no ramo seco
se desfaz o ninho.

O que é isso que soa
bem longe ?
Amor. O vento nas vidraças,
amor meu !

Frederico Garcia Lorca

14 comentários:

  1. Que lindo, bem escolhido o poema!
    Amei, quanto de súplicas ao amor, palavras rebuscadas, lindo demais!
    Abraços apertados minha linda amiga!

    ResponderEliminar
  2. Brilhante postagem, quer com esta fabulosa poesia, quer na sintonia das imagens.
    Bom vir aqui, Maria
    Boa semana

    ResponderEliminar
  3. Olá, querida Maria
    Nada melhor do que ler uma poesia de qualidade... Obrigada pelo compartilhamento...
    Seja feliz e abençoada!!!
    Bjm fraterno de paz e bem

    ResponderEliminar
  4. Maria...o AMOR implícito na arte de bem poetisar! Gostei! BJ

    ResponderEliminar
  5. oi Maria,

    ah,o amor,
    amor meu...
    nada mais lindo que esse sentimento...
    belíssima escolha!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Lindíssimo poema, minha querida!
    Pura sensibilidade...
    Beijinhos,
    Valéria

    ResponderEliminar
  7. Olá Maria boa tarde
    Lindo poema! Já estava com saudades de passar por aqui e ver seus post!
    Estive um pouco afastada mas, devagar vou retornando, carinhoso abraço e muita paz.

    ResponderEliminar
  8. Poema muito lindo e profundo! Beijos e lindo dia Maria!

    ResponderEliminar
  9. Oi Maria

    Bonito poema!

    Um abraço

    Fatima

    ResponderEliminar
  10. Boa tarde Maria, que poema belíssimo! Mesmo longe o Amor se faz presente, porque a distancia jamais quebrará os laços que unem quem se quer bem.Um beijinho.Ailime

    ResponderEliminar
  11. Emociona e encanta o belo poema que você escolheu.
    beijinhos,
    Léah

    ResponderEliminar
  12. Maria, que bonito!
    Conseguiste reunir um belo poema, um dos grandes da literatura espanhola, num ambiente apropriado.
    Denota a tua sensibilidade, dum poeta que era isso...
    Um grande abraço

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.