sexta-feira, 7 de março de 2014

Canção - Poema de Cecília Meireles


Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
depois abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar.


Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre dos meus dedos
colore as areias desertas.


O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho dentro de um navio...


Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.


Depois, tudo estará perfeito:
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas.


Cecília Meirelles


4 comentários:

  1. Linda poesia e adoro Cecília! bjs, ótimo fds! chica

    ResponderEliminar
  2. Belíssimo...
    Bom fim de semana e muita inspiração!!!

    ResponderEliminar
  3. Um excelente poema da grande Cecília. Aliás como todos os que conheço dela. Adoro esta poetisa.
    Amiga e a sua mãe? Já recuperou a saúde? Espero e desejo que sim.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Belíssimo poema de Cecilia Meireles. Gostei muito.
    Desejo que esteja bem.
    Bom fim de semana.
    Irene Alves

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.