quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Esta vida é um Corridinho




A vida é um corridinho,
Corre, corre, sem parar,
Desde que um homem vem ao mundo
Até que vai a enterrar.
Nasce a gente e de repente,
Corre este risco sem par,
De morrer logo à nascença
Ou de ter que cá ficar.


Corre, corre, corridinho,
Corre, a vida sem parar.





Em miúdo corre e chora
Prá mãe lhe dar de mamar
Depois pula, rasga e estraga,
Pelos jardins a brincar.
Corre depois para a escola,
Corre aos livros pra estudar,
Corre depois na parada,
Quando vai pra militar.



Corre, corre, corridinho,
Corre, a vida sem parar.






Corre o tempo e volta à terra,
Com ideias de casar.
Corre logo ao bailarico,
Corre à procura dum par.
Correm banhos na igreja.
Corre a nova no lugar,
Té que um dia mai-la noiva,
Correm ambos pró altar.



Corre, corre, corridinho,
Corre, a vida sem parar.





Correm dias bem felizes,
Correm horas de bem-estar,
Pois num berço pequenino,
Está um bebé a chorar.
Mas passados anos correm
dez pimpolhos no seu lar
Corre-lhe o suor em bica,
Pra família sustentar.



Corre, corre, corridinho.
Corre, a vida sem parar.


Corre aqui, pede acolá,
Corre ao prego pra pagar
ao padeiro, ao merceeiro,
pra vestir e pra calçar.
Corre um mês e outro mês,
E ele, aflito, pra arranjar,
com que pague a casa, a luz
e ao doutor que o vai tratar.




Corre, corre, corridinho,
Corre, a vida sem parar.


 


Já cansado de correr,
Certo dia, ao levantar,
Corre-lhe um frio plo espinhaço,
Corre à cama e dá-lhe um ar.
Corre o pranto na família,
Corre a gentinha a espreitar.
A correr vem um anjinho
que logo o leva plo ar.



Corridinho, corridinho,
Lá vai ele a aboar.
Corridinho, corridinho,
Lá vai ele a aboar.





Corridinho chega ao céu,
Bate à porta pra entrar,
Corre S. Pedro a abrir,
Pró caminho lhe indicar.
Corre já pra'quela nuvem
Que é ali o teu lugar,
Pois no fim desta corrida
tens direito a descansar.

Corridinho, corridinho,
Lá vai ele a aboar.
Corridinho, corridinho,
Lá vai ele a aboar.


João Villaret

6 comentários:

  1. Corre, corre corridinho

    Este poema é uma pérola
    Que a vida nos faz pensar
    Acabados de nascer
    Já a morte nos vem buscar
    Brincamos feitos estrelas
    Amando cheios de ilusões
    Depois deixamos de tê-las
    Sofremos por meras paixões...

    Corre, corre corridinho

    ResponderEliminar
  2. oi minha amiga,

    e como se corre,
    as vezes tenho tanta vontade de diminuir o ritmo acelerado...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Maria...que belo texto!
    Adorei a reflexão sobre o stress do dia a dia!
    Bom dia e bj!

    ResponderEliminar

  4. Maria, desejo que tudo esteja bem com você e família!
    Bonita reflexão neste texto! A vida corre rápido e é uma realidade doce e misteriosa...

    Muita paz e abraços

    ResponderEliminar
  5. Oi amiga, a vida corre e não espera ninguém como um relógio.
    Tenha uma linda semana, beijos!!

    ResponderEliminar
  6. Mais um momento de poesia inspirada agora nas cega-regas populares.
    Ainda a tenho de ouvido na voz ritmada e nasalada de João Villaret...

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.