quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Bebido o Luar - Poema de Sophia de Mello Breyner Andresen




Bebido o luar, ébrios de horizontes,
Julgamos que viver era abraçar
O rumor dos pinhais, o azul dos montes
E todos os jardins verdes do mar.


Mas solitários somos e passamos,
Não são nossos os frutos nem as flores,
O céu e o mar apagam-se exteriores
E tornam-se os fantasmas que sonhamos.


Por que jardins que nós não colheremos,
Límpidos nas auroras a nascer,
Por que o céu e o mar se não seremos
Nunca os deuses capazes de os viver.


Sophia de Mello Breyner Andresen




12 comentários:

  1. Linda e sofrida a poesia de Sofia....Gosto muito!!!
    beijo
    anacosta

    ResponderEliminar
  2. Belo poema de Sophia. Muito obrigada por esta partilha, querida Maria.
    Um excelente momento de leitura.

    Bjs

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Muito bonito este poema,obrigada por partilhares,gostei muito.
    Um beijinho.
    Miuíka

    ResponderEliminar
  4. Bebido o luar,
    Ficou adormecida
    De noite a sonhar
    Do amor não esquecida.

    De noite ao luar,
    Uma Rosa adormecida
    No jardim a fui encontrar
    A murchar de pétala caída.

    Não era uma rosa não
    Era sim uma menina
    Sofria o seu coração
    De amor ainda pequenina.

    A tentei consolar
    Não me ligou patavina
    A imaginar, de noite ao luar
    Encontrei uma menina!

    Boa tarde e um beijo
    para você, amiga Maria.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  5. Maria
    Sophia de Mello Breyner, aqui dos seus brilhantes poemas. Tu a mostrares sensibilidade no belo momento de poesia.
    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Oi Maria
    Lindo poema
    Obrigada por nos partilhar
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  7. Poesia cheia de corpo e alma como a Sophia sabia escrever

    ResponderEliminar
  8. MINHA QUERIDA !
    GRATA PELA PARTILHA ...VALEU ...POEMA ENCANTADOR !

    ResponderEliminar
  9. Minha amada amiga quantas perguntas sem respostas não é? Um poema limpído clariando a nossa própria essência de viver o natural que a terra mãe nos oferece como vida cheia de primavera e de felicidade. O horizonte seria nossas almas a sonhar com a beleza e o frescor de nossa natureza interior.

    Belissimo teu escrever...perdão amiga por não vir mais vezes aqui contemplar esta beleza pura de escrita..Nossa vida muitas vezes por necessidade de trabalho nos tira parte de nossas vidas todos os dias...e nunca mais voltará pois a lei da vida é sempre o presente e o bom da juventude ficou dentro das lutas de sobrevivência..

    Um beijo caloroso e obrigada pelo carinho..

    Beijo e muitas alegrias amiga.

    Cristal

    ResponderEliminar
  10. Quantas vezes buscamos em nossas amizades
    uma palavra de carinho .
    E quantas vezes tem me faltado
    tempo para deixar o carinho que
    gostaria de receber.
    Hoje estou feliz por estar aqui
    para acarinhar sua alma.
    E dizer o quanto você
    é importante para mim.
    Estou deixando na postagem um mimo
    do dias das crianças.
    Não por achar que você ainda é
    uma criança.
    Mais sim a eterna criança que existe em cada um de nós.
    Um feliz e abençoado final de semana.
    Beijos ternos e carinhosos, Evanir.

    ResponderEliminar
  11. Oi minha linda, passei para deixar como sempre o meu foste abraço e os meus beijinhos de luz e muita paz no coração.
    Tenho um lindo fim de semana.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.