segunda-feira, 4 de março de 2013

Tamanduá


A história da Vida na Terra é uma história de extinções, estas extinções naturais ocorrem, no entanto, ao longo de períodos relativamente longos, permitindo a evolução de novas formas de vida. Muitos animais evoluíram e depois extinguiram-se e o seu lugar na natureza é então ocupado por outro grupo de animais. Isto não é o que acontece na actualidade, com a ajuda do Homem!




Penso que é importante ir sempre “passando” a mensagem da importância de preservarmos a Natureza, a vida selvagem, o ambiente, “O nosso magnifico Planeta”.

A extinção é o desaparecimento irreversível de espécies e acontece quando o último animal de uma determinada espécie morre.

Hoje: Tamanduá ou Papa-formigas


Foto: wikipedia_NationalZooAnteater


Classe: Mammalia
Ordem: Pilosa
Família: Mymecophagidae

Tamanduá é o nome comum para as quatro espécies de mamíferos da subordem Vermilingua, comumente conhecidos por comerem formigas e térmitas.


Foto: www.vibrationdata.com


As espécies existentes incluem o tamanduá Myrmecophaga tridactyla, com cerca de 1,8 m de comprimento, incluindo a cauda, o tamanduá Cyclopes didactylus sedosa, cerca de 35 cm de comprimento, o Tamanduá do Sul ou de colarinho o Tamandua tetradactyla, com cerca de 1,2 m de comprimento, e o Tamanduá do norte, o Tamandua mexicana de dimensões semelhantes.


Tipos de Tamanduá:
• Tamanduá-bandeira - Myrmecophaga tridactyla
• Tamanduaí - Cyclopes didactylus
• Tamanduá-mirim - Tamandua tetradactyla
• Tamanduá do Norte - Tamandua Mexicana


Foto: wikipedia_Ellen


Tamanduá-bandeira - giant anteater (Myrmecophaga tridactyla)
É o maior e o mais terrestre dos tamanduás. Pode ter até 217 cm de comprimento e pesar até 41 kg. É facilmente reconhecido pelo seu focinho longo e padrão característico de pelagem. É encontrado em diversos tipos de ambientes, desde savanas e florestas. O tamanduá-bandeira é listado como "Vulnerável" pela IUCN. Foi extinguido em algumas partes de sua distribuição geográfica.


Foto: www.venezuelaonboard.com


Tamanduaí - Silky anteater ou Pygmy anteater (Cyclopes didactylus)
É o menor dos tamanduás, medindo cerca de 50 centímeros no total, pesando cerca de 450 gramas, não é pois muito maior do que um esquilo. Pode ser encontrado do sul do México ao norte do Brasil e na ilha de Trinidad e Tobago. Esta espécie é difícil de ser vista. Passa os dias dormindo, enroscado no alto das árvores. Só sai do lugar durante a noite, e mesmo assim não vai muito longe. Nunca desce ao chão. Possui pelagem amarelada, macia e sedosa, que lhe rendeu o nome popular de tamanduá-seda. Cauda preênsil de cerca de 25 centímetros de comprimento, funciona como um quinto membro. As mãos têm dois dedos, quatro dedos nos pés, nas patas anteriores com duas garras longas e curvas, olhos e orelhas pequenos.


Foto: tumblr.com


Tamanduá-mirim ou Tamanduá do Sul (Tamandua tetradactyla)
Encontra-se da Venezuela ao sul do Brasil. Possui cabeça, pernas e parte anterior do dorso de coloração amarelada. O restante do corpo é negro, formando uma espécie de colete. Possui cauda longa e preensil e patas anteriores com quatro grandes garras. Tem hábitos preferencialmente noturnos, mas também costuma sair em busca de alimento durante o crepúsculo.


Foto: wikipedia_www.birdphotos.com



Tamanduá do Norte (Tamandua mexicana)
Vivem em florestas tropicais e subtropicais do sul do México, a América Central e a norte dos Andes. O tamanduá do norte é um tamanduá de médio porte, com uma cauda preênsil, olhos e orelhas pequenos, e um focinho longo. A pele é amarelo claro na maior parte do corpo, com uma faixa distinta de pele negra sobre os flancos, costas e ombros, que lembra um pouco a forma de um colete. A presença deste padrão de coloração torna possível distinguir as espécies a partir do seu parente do sul, que tem uma cor mais uniforme. Para além da sua dieta, o tamandua do norte está também adaptado para um estilo de vida nas árvores.


Foto: wikipedia_DirkvdM


Distribuição e Habitat :
Os tamanduás, habitam as florestas e savanas das Américas Central e do Sul, desde o Belize até a Argentina. Três espécies encontram-se no leste do Brasil. O tamanduá seda ou Tamanduaí(Cyclopes didactylus) é especializado num ambiente arbóreo, mas alguns deles encontram o seu alimento tanto em terra como nas árvores, geralmente encontra-se nas florestas secas perto de riachos e lagos da América do Sul e Central. O tamanduá-bandeira quase inteiramente terrestre (Myrmecophaga tridactyla) vive em savanas. Os dois tamanduás do género Tamanduá, o do sul (Tamandua tetradactyla) e o tamanduá do Norte (Tamandua mexicana), são principalmente arbóreos, habitando as densas florestas primitivas da América do Sul e Central.


Foto: www.nhptv.org


Identificação:
O tamanduá tem uma pelagem espessa que se torna mais longa na cauda. O seu focinho é afunilado e no seu interior aloja uma longa língua que pode chegar a ter 50 cm de comprimento. O peso do maior tamanduá, o tamanduá-bandeira adulto, pode atingir até quarenta quilos e o seu comprimento 1,80 metros, incluindo a cauda, que pode chegar à metade desse tamanho. Já o mais pequeno, o tamanduá seda ou Tamanduaí(Cyclopes didactylus), mede apenas 50 cm e pesa cerca de 450 gr. A capacidade de visão e de audição dos tamanduás é reduzida, mas têm um excelente olfato (cerca de 40 vezes maior que a do homem) podendo assim sentir o cheiro de uma presa ou de um predador a dezenas de metros de distâncias. Têm garras fortes e curvas nas patas dianteiras para poder desfazer os ninhos, mas que lhe dificultam o andar.



Foto: Wikipedia


Hábitos:
Normalmente são animais solitários que só se encontram e juntam na época da reprodução. Dormem enrolados com a sua cauda peluda dobrada sobre o corpo. A cauda serve tanto para conservar o calor do corpo e como para camuflagem. São bons nadadores e capazes de mover-se através de grandes rios.

Foto: Wikipedia_Mateus Hidalgo


Alimentação:
Alimentam-se normalmente de formigas, térmitas, larvas, besouros que retiram dos formigueiros com a sua longa e pegajosa língua, depois de terem escavado as resistentes paredes dos formigueiros, com as fortes e longas garras dianteiras. Um tamanduá gasta um minuto, em média, a alimentação em um ninho, visitando mais de 200 ninhos em um dia e consumir tantos como 300.000 indivíduos.


Foto: www.animalcorner.co.uk


Reprodução:
Tamanduás gigantes podem acasalar durante todo o ano. Após uma gestação de 190 dias a fêmea tem apenas um filhote por ano, que é muito pequeno e frágil com aproximadamente 1,3 kg. Ele é carregado no dorso da mãe e alimentado durante os primeiros 9 meses, período em que só se alimenta de leite. Os jovens comunicam com as suas mães com assobios agudos e usam a língua durante a amamentação.



Foto: telegraph.co.uk


Estatuto de conservação e principais ameaças:
O tamanduá está listado como vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). As ameaças à sua sobrevivência devem-se à destruição do seu habitat e à caça.

Fontes e Fotos: Wikipédia; Portlasaofrancisco; http://www.infoescola.com/; http://www.telegraph.co.uk/; www.vibrationdata.com; Pixdaus; www.animalcorner.co.uk; www.nhptv.org; www.venezuelaonboard.com; www.vibrationdata.com; enciclopedia do Reino Animal; outros net


Foto: Pixdaus_Mrowkojad_wielki


Há que compreender a importância de cada organismo na complexa e maravilhosa teia da Vida na Terra e Nunca nos devemos esquecer que "A extinção é para sempre".

6 comentários:

  1. Um animal bem fora do comum.
    Os Camaleões em África também comiam formigas. Gostava de vê-los a devorar os ninhos de térmitas.

    é cada dia mais importante ensinar nas escolas a importância da preservação da natureza

    ResponderEliminar
  2. A tomada de consciência das problemáticas ambientais é já meio caminho para a sua resolução.

    Para além disso a beleza das imagens e a leveza das palavras tornam este lugar especial.


    Um beijo

    ResponderEliminar
  3. oi Maria,

    bichinho esquisito,mas muito simpático,
    adorei saber mais...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Que bom saber sobre mais desses animais, amei ficar sabendo um pouco deles. Maria lá no blog estrela da manhã tem post novo vem conferir, fique com Deus beijos.
    Links:

    Estrela da Manhã

    Lucimar Virtual

    Divulgue seu blog no Face

    ResponderEliminar
  5. Interessante este animal!
    Excelente reportagem minha amiga.
    boa semana Maria

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.