domingo, 18 de novembro de 2012

Mote




Que feliz destino o meu
Desde a hora em que te vi;
Julgo até que estou no céu
Quando estou ao pé de ti.

Se Deus te deu, com certeza,
Tanta luz, tanta pureza,
P'rò meu destino ser teu,
Deu-me tudo quanto eu queria
E nem tanto eu merecia...
Que feliz destino o meu!

Às vezes até suponho
Que vejo através dum sonho
Um mundo onde não vivi.
Porque não vivi outrora
A vida que vivo agora
Desde a hora em que te vi.

Sofro enquanto não te veja
Ao meu lado na igreja,
Envolta num lindo véu.
Ver então que te pertenço,
Oh! Meu Deus, quando assim penso,
Julgo até que estou no céu.

É no teu olhar tão puro
Que vou lendo o meu futuro,
Pois o passado esqueci;
E fico recompensado
Da perda desse passado
Quando estou ao pé de ti.


António Aleixo





12 comentários:

  1. Que bela homenagem a este sábio e sempre eterno Aleixo.Um abraço Maria e uma boa semana

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria! Amei seu Blog! Parabéns!
    Beleza, bom gosto, elegância e suavidade, resumem suas páginas. Abrs

    ResponderEliminar
  3. Conhecia... mas sempre agradavel de reler.
    Bom domingo, Maria.

    ResponderEliminar
  4. Uma boa paretilha.Gosto imenso de António Aleixo.
    Hoje a poesia é no Sexta, muito embora de poeta eu tenha pouco.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
  5. Poema lindo trouxeste! beijos,lindo domingo e semana!chica

    ResponderEliminar
  6. Poema e imagem encantadores.
    Adorei a escolha, Maria.Você tem bom gosto.

    Beijinho, querida e bom domingo.

    ResponderEliminar
  7. Minha querida Maria que duas coisas tão lindas que me dizem tanto e me deixaram tão feliz.
    A primeira o mail da Hollanda que não podia dizer mais, pois como sabe meu bem tenho lá os meus dois filhos, ele e ela cada um na sua casinha,
    Adoro a Holanda não o clima mas a capacidade que ali se encontra, 3 vezes menor de que Portugal e com o triplo dos habitantes de todas as nacionalidades. Construida 25 metros abaixo do nivel do mar e a maior parte em cima dele.
    A segunda António Aleixo, talvez um dos poetas mais pobres que tenho conhecimento e sem quase saber assinar o seu nome, com uma cultura interna com que Deus o dotou. por tudo isto minha querida o triplo dos meus beijinhos de luz e muita paz na sua vida.
    PS;beijinho especial sempre.

    ResponderEliminar
  8. Só podia ser de Aleixo.
    Simples Boa semana! Beijinhos
    Lourdes

    ResponderEliminar
  9. Excelente escolha esta de Aleixo, já conhecia, mas é sempre muito bom ler.
    Boa semana querida
    Muito obrigada pelos teus mail

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  10. Molto bella questa poesia, complimenti all'autore!! una giornata solare per te...ciao

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.