quinta-feira, 26 de abril de 2012

Desejos vãos - Poema de Florbela Espanca


Eu queria ser o Mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o Sol, a luz intensa,
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o Mar também chora de tristeza…
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

E o Sol altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as Pedras… essas… pisa-as toda a gente!…

Florbela Espanca


11 comentários:

  1. Maria especialmente lindo Florbela foi uma poetisa que sempre nos cala fundo na alma, obrigada por compartilhar, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  2. Florbela Espanca tão sensível nos seus lindos poemas. As suas palavras convidam-nos a aplicá-las também ao presente e às dificuldades do dia-a-dia.

    Beijos, querida Maria.

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Maria,que poema lindo.Tem que ser Florbela.bjs

    ResponderEliminar
  4. oi Maria,

    lindo,
    adoro Florbela,
    nos fala de sentimentos
    com leveza e sensibilidade sem igual...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Muito lindo,Maria!Sempre!!!beijos,chica

    ResponderEliminar
  6. Gostei do poema, apesar de a Florbela EspancaNão ser santo da minha devoção. Peço desculpa.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. A nossa Florbela Espanca aqui num lindo poema do mar,pensando bem em cada palavra escrita nos leva ao actual em certas coisas.
    Beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar
  8. Querida Maria!

    Lindo esse poema! Ela descreve o lado oposto do que "parece, mas não é".
    E você está bem?

    Mil beijos

    ResponderEliminar
  9. Ela via, além das aparências!!!

    Beijos, Maria,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  10. Querida Maria,

    Este poema é uma bela escolha relatando poeticamente o lado bom e mau daquilo que, às vezes, desejaríamos ser!

    Não fica triste pela minha partida da blogosfera ! Foi realmente pena não nos ter conhecido mais cedo porque tinhas conhecido uma Verdinha ainda mais alegre do que aquela que conheceste ! Mas fico feliz por ter vindo a tempo para amenizar um pouco a dor que sentiste nos momentos mais tristes da tua vida. Fiz o que pude porque eu própria tive um ano 2011 extremamente penoso.
    Agradeço as tuas palavras tão gentis e carinhosas no meu cantinho verde.
    O meu blog não está fechado, como escreves "talvez seja uma partida definitiva, quem sabe, talvez seja apenas um até breve.". De facto, tudo tem um fim mas pelo outro lado, nada é definitivo, principalmente para mim que acredita na vida eterna.
    O meu blog não está fechado, portanto podes voltar ao meu blog quando quiseres e levares o que quiseres. Se precisares de mim mais tarde, escreve-me um comentário que eu responderei.

    A minha vida, de certeza, vai me sorrir sempre em tons de verde porque é essa a minha vontade e lutarei para isso.
    Também te desejo muitas felicidades e até dou-te os meus olhos virtualmente para puderes ver também a vida em tons de verde !

    Beijinhos
    Verdinha

    ResponderEliminar
  11. Eu li e reli, amei...*
    "Eu queria ser o Mar* de altivo porte, que ri e canta a vastidão imensa...mas o Mar* também chora de tristeza"...
    É a Natureza retratada como se gente fosse!
    Eu não conheço a poetisa mas seu poema é belo, com certeza.
    beijinhos.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.