quarta-feira, 28 de março de 2012

Urso Pardo


A história da Vida na Terra é uma história de extinções, estas extinções naturais ocorrem, no entanto, ao longo de períodos relativamente longos, permitindo a evolução de novas formas de vida. Muitos animais evoluíram e depois extinguiram-se e o seu lugar na natureza é então ocupado por outro grupo de animais. Isto não é o que acontece na actualidade, com a ajuda do Homem!


Penso que é importante ir sempre “passando” a mensagem da importância de preservarmos a Natureza, a vida selvagem, o ambiente, “O nosso magnifico Planeta”.

Hoje: Urso Pardo




Nome Científico: Ursus arctos
Ordem: Carnivora
Família: Ursidae


Distribuição e Habitat :
Encontram-se na Europa (cordilheira Cantábrica, Pirenéus, Escandinávia, Alpes e Cárpatos), na América do Norte e na Rússia. Vivem em florestas de coníferas, em regiões montanhosas e na tundra.



 
Identificação:
Têm o corpo pesado e robusto, cauda curta e patas fortes com cinco garras não retrácteis, que podem atingir os 10 cm nas patas anteriores e são utilizadas para escavar o solo em busca de alimento ou de abrigo, para pescar, para trepar e para defesa. A cabeça é larga com orelhas curtas e arredondadas e o focinho é comprido.




As dimensões e peso destes animais dependem da localização geográfica, da altura do ano, da disponibilidade alimentar, do sexo e da idade, mas os animais maiores tendem a ser encontrados a norte da área de distribuição da espécie. No Outono, atingem o peso máximo devido às reservas de gordura acumuladas (os machos podem chegar a pesar 780 kg). As fêmeas são bastante mais pequenas e leves que os machos. A pelagem é normalmente castanho-escura, embora existam variações entre os tons castanho-claro e negro. É mais densa no Outono e mais leve no início do Verão. Os juvenis apresentam, normalmente, uma banda amarelada em torno do pescoço.



Hábitos:
São animais solitários, embora se possam reunir de forma relativamente pacífica em locais onde o alimento seja abundante, como acontece durante a época da desova do salmão, no Santuário de caça do rio MacNeil, no Alasca.




Os territórios dos machos sobrepõem-se aos de várias fêmeas (que são mais pequenos) e de outros machos. As marcações de território são conseguidas por meio de raspagens na casca das árvores, nas quais esfregam as costas, deixando pêlos e odores. Recolhem-se durante o Inverno numa cavidade subterrânea forrada com vegetação seca ficando num estado letárgico. Este está relacionado com a escassez de alimento nesta altura do ano, uma vez que é necessária bastante energia para manter a temperatura do corpo elevada. Assim, a temperatura do corpo, a velocidade dos batimentos cardíacos e a taxa metabólica são reduzidas de forma a poupar energia, sendo a sobrevivência garantida apenas a partir das reservas de gordura acumuladas no Verão e no Outono; e embora percam muito peso à medida que vão utilizando estas reservas, a sua massa proteica permanece geralmente constante ou vai diminuindo apenas gradualmente, o que é um factor essencial para a sua boa condição vital.




Alimentação:
São principalmente vegetarianos, mas a sua dieta é omnívora e muito diversificada. Exibem uma grande perícia na manipulação de objectos quando procuram alimento. Alimentam-se de herbáceas, frutos, raízes, sementes, insectos, mel, peixe (truta, salmão), ovos e juvenis de aves, roedores, veados, renas, alces e gado doméstico.




Reprodução:
Na época de reprodução, entre Maio e Julho, há lutas entre os machos e formam-se casais por curtos períodos de tempo. A gestação dura sete a oito meses e de Janeiro a Março, nascem dentro da toca uma a três crias (normalmente duas crias gémeas), com os olhos fechados, sem pêlo e com 10% do peso que seria de prever pelo tamanho da fêmea, ou seja 400 a 500 g.




O curto período de gestação está relacionado com o risco para a sobrevivência da mãe e das crias que está associado ao grande dispêndio de energia com a gestação e o início do aleitamento, num período em que a fêmea subsiste apenas à custa das reservas de gordura que acumulou e também com a vantagem de os nascimentos ocorrerem um pouco antes do início da Primavera, na qual o alimento é mais abundante. Os juvenis são desmamados com cerca de um ano e meio e permanecem com a mãe até aos três a quatro anos de idade, aprendendo com ela as técnicas necessárias à sua sobrevivência futura como adultos solitários, pelo que as ninhadas têm três anos ou mais de intervalo. Os ursos-pardos atingem a maturidade sexual entre os quatro anos e meio e os sete anos. No entanto, os machos só atingem o tamanho necessário para se tornarem reprodutores aos oito a 10 anos de idade. A sua longevidade no habitat natural é de 20 a 25 anos.




Principais ameaças:
A espécie não está globalmente ameaçada (segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza), mas a sua área de distribuição actual é muito restrita e apenas uma fracção da original. Apesar das suas excelentes características adaptativas, tais como a versatilidade da dieta, a curiosidade e a rápida aprendizagem, a normalmente baixa densidade populacional, associada à grande dimensão do território de que necessitam e a lenta maturação sexual (principalmente no caso dos machos) são factores que dificultam a recuperação das populações. A perda de habitat é um factor muito importante de ameaça à espécie, pois os ursos-pardos requerem muito espaço de forma a manter a variabilidade genética e evitar a consanguinidade. A maioria das reservas não é suficientemente grande e estes animais são difíceis de reintroduzir, por falta da necessária experiência de sobrevivência das fêmeas e das crias.

Fontes e Fotos: Wikipedia; National Geographic; Portlasaofrancisco; treknature; Enciclopédia a Vida Animal; outros



“A Terra provê o suficiente para as necessidades de todos os homens, mas não para a voracidade de todos.” (Mahatma Gandi) .

19 comentários:

  1. Precisamos respecter o ciclo natural da vida...beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria,
    Lindas imagens.
    Ótima semana e bjs

    ResponderEliminar
  3. Todos os seus trabalhos são aulas vivas que nos ajudam a perceber que a natureza deve ser preservada.
    Com tantas atrocidades ao nosso meio ambiente será quase impossível evitar grandes calamidades num futuro próximo.

    ResponderEliminar
  4. Bom dia Maria!
    gostei muito de conhecer um pouco mais sobre os "ursos".
    Obrigada.
    beijinho

    ResponderEliminar
  5. Maravilhoso, elucidativo e interessante!!!beijos,chica

    ResponderEliminar
  6. oi Maria,

    nem dá pra acreditar
    que um bichinho com essa carinha,
    seja perigoso...
    adorei a postagem,minha amiga...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Bom dia querida amiga!!
    Abraço de urso para voce.
    beijão

    ResponderEliminar
  8. Oi Maria, lindos esses ursos, adorei!
    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Gosto de bichos: eles devem ser deixados num lugar à solta.Precisam ter liberdade e um bom pasto ... é disso que precisam, é a única necessidade deles e que não os molestem.
    A Natureza é sábia, Deus criou o Mundo perfeito*; mas fico pensando no que o Luís escreveu: "das atrocidades ao meio ambiente e me dá uma tristeza imensa. Sinto pena dos bichos ... Que Deus proteja, que cuide deles e que vivam de acordo com as suas necessidades.
    Me emociono ao ver os animais presos, é deprimente, principalmente essa gente que os prende em correntes e os tratam como " ...enfim, só os querem para servi-los.Maltratam.
    Beijinhos, foi meu atrapalhado o comentário, mas sou assim, vou escorregando com as palavras...pressa talvez.

    ResponderEliminar
  10. *
    um tema que me interessa,
    boa escolha, parabens !
    ,
    conchinhas, deixo,
    *

    ResponderEliminar
  11. BOA TARDE AMIGA QUERIDA QUE LINDA POST MUITO BOM VER ESTAS IMAGENS LINDAS E CONHECER SABER UM POUCO MAIS DESTA MARAVILHA DA NATUREZA,ANIMAIS LINDOS ENCANTADORES,INDEPENDENTE DE SEU TAMANHO DÃO SEMPRE A IMPRESÃO DE UMA TERNURA ENORME JUNTO DOS FILHOTES OBRIGADA MARIA POR COMPARTILHAR ADOREI ESTE PASSEIO LINDO BJS COM CARINHO MARLENE

    ResponderEliminar
  12. Lindo como sempre!
    As coisas que eu aprendo contigo minha querida.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  13. Gosto dos ursos e pelos pequenotes, tenho um carinho muito grande! Lembro-me das minhas histórias quando criança, onde haviam sempre ursos que eram meigos e gostavam de mel...
    Adorei esta crónica e fiquei a saber sobre os ursos aquilo que não sabia.
    Obrigada, minha querida!
    Beijo e bom fim de semana.
    Graça

    ResponderEliminar
  14. Li com atenção esta sua dissertação e os ensinamentos nela contidos, que nos sensibilizam para a protecção da natureza de forma a conservar a sua biodiversidade.
    Bjis

    ResponderEliminar
  15. Hoje é aniversário de uma amiga
    muito especial para mim.
    E para todos nos blogueiros caso não a
    conhecer o endereço dela esta na postagem do blog.
    Que tal deixar seu carinho a essa pessoa
    tão especial?
    Uma linda tarde beijos no coração.
    Evanir.
    A aniversariante é a Marcia Luconi.

    ResponderEliminar
  16. Maria: Apesar de ainda não ser um animal salvagem e extinção, todos nós deviamos dar mais atenção a conservação da natureza e dos seus habitantes. gostei
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  17. Maria, boa noite!
    É importante e urgente que passemos sempre a mensagem. Preservar e respeitar a natureza hoje e sempre, devia ser o lema de todos nós.

    Gosto muito do Urso Pardo, é um animal que mete respeito.

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  18. Excelentes postagens Maria, o que eu aprendo com elas!!
    Bjs

    ResponderEliminar
  19. obrigado otimo para meu trabalho escolar ...

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.