quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Castelã da Tristeza - Poema de Florbela Espanca




Altiva e couraçada de desdém,
Vivo sozinha em meu castelo: a Dor!
Passa por ele a luz de todo o amor ...
E nunca em meu castelo entrou alguém!

Castelã da Tristeza, vês? ... A quem? ...
– E o meu olhar é interrogador –
Perscruto, ao longe, as sombras do sol-pôr ...
Chora o silêncio ... nada ... ninguém vem ...

Castelã da Tristeza, porque choras
Lendo, toda de branco, um livro de horas,
À sombra rendilhada dos vitrais? ...

À noite, debruçada, plas ameias,
Porque rezas baixinho? ... Porque anseias? ...
Que sonho afagam tuas mãos reais? ...

Florbela Espanca



11 comentários:

  1. Olá, Maria

    Adorei este poema de Florbela Espanca, tão romântico, posicionado num tempo em que tudo é levado ao extremo como só ela sabe ser.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Belo dia florido prá ti!
    Folhas de Outono chega para matar saudades !
    Saudades de tuas escritas e de vc tbm.
    Florbela Espanca sempre nos deixa belissimas mensagens...
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Hermoso poema María, el amor a veces nos acerca al castillo de dolor.
    un abrazo.

    ResponderEliminar
  4. Olá amiga, belo demais este lindo soneto da Florbela Espanca. Tudo o que esta poetisa escreveu tem o condão de nos deixar à sombra da nostalgia. Adorei. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  5. Lindo poema,Maria! um beijo,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  6. Florbela Espanca sempre encante...Parabéns pelo post e o belíssimo blog!

    ResponderEliminar
  7. Olá, querida
    O sonho que afaga a minha mão real vem cotidianamente pela consciência reta e o amor doado...
    Bjm de paz

    ResponderEliminar
  8. Que romântico poema para ser lido numa tarde triste de Outono!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Olá!
    Gosto muito dos poemas de Florbela, uma ótima poetisa, bjs.

    ResponderEliminar
  10. Em Florbela Espanca a dor, dói menos pelo poder da arte na construção poética.

    É admirável esta escrita sujeita a tantas regras de rima e métrica e ainda assim tão expressiva e completa.

    Um beijo

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.