quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Árvores do Alentejo




Horas mortas... Curvada aos pés do Monte
A planície é um brasido... e, torturadas,
As árvores sangrentas, revoltadas,
Gritam a Deus a bênção duma fonte!

E quando, manhã alta, o sol posponte
A oiro a giesta, a arder, pelas estradas,
Esfíngicas, recortam desgrenhadas
Os trágicos perfis no horizonte!

Árvores! Corações, almas que choram,
Almas iguais à minha, almas que imploram
Em vão remédio para tanta mágoa!

Árvores! Não choreis! Olhai e vede:
- Também ando a gritar, morta de sede,
Pedindo a Deus a minha gota de água!

Florbela Espanca



9 comentários:

  1. Bom dia
    Não sei se são as árvores se é o poema de Florbela Espanca, que nos leva nos dias quentes do Verão ao coração do Alentejo.

    A gota de água na planície ressequida.
    As árvores torcidas nas suas próprias sombras como que suplicando por uma gota de água apenas.

    ResponderEliminar
  2. Correndo os ares, na amplidão perdida,
    Essa música doce, é a voz, talvez,
    Da alma de tudo, celebrando a Vida!

    (Olavo Bilac)

    Bom dia e o meu carinho...M@ria

    ResponderEliminar
  3. Mais um lindo poema da Florbela leio aqui ilustrado por linda imagem.Parabéns,beijos.

    ResponderEliminar
  4. Muit lindo poema e imagem!beijos,chica

    ResponderEliminar
  5. Florbela, sempre Florbela, nos encantando, aqui, e ai, bju terê.

    ResponderEliminar
  6. Maria querida
    Excelente!!! Como sempre as tuas escolhas são divinais. Muito obrigado por tanto carinho.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Prezada amiga
    Hoje vim lhe agradecer pela sua linda e carinhosa presença lá no meu cantinho, através de um simples selinho, 300 seguidores , feito com muito carinho.
    Agradeço-lhe de todo o coração!
    Abraço amigo!
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  8. oi Maria,

    Florbela é encantadora,
    descreve sentimentos lindamente...
    bela postagem!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Olá, Maria

    Florbela Espanca, sempre! Com alma e paixão como só ela!O seu coração sedento de afecto comparado à secura das árvores do seu Alentejo...

    Beijos

    Olinda

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.