quarta-feira, 15 de junho de 2011

Peixe-boi (Trichechus manatus) - Manatee


A história da Vida na Terra é uma história de extinções, estas extinções naturais ocorrem, no entanto, ao longo de períodos relativamente longos, permitindo a evolução de novas formas de vida. Muitos animais evoluíram e depois extinguiram-se e o seu lugar na natureza é então ocupado por outro grupo de animais. Isto não é o que acontece na actualidade, com a ajuda do Homem!


Penso que é importante ir sempre “passando” a mensagem da importância de preservarmos a Natureza, a vida selvagem, o ambiente, “O nosso magnifico Planeta”.

A extinção é o desaparecimento irreversível de espécies e acontece quando o último animal de uma determinada espécie morre.

Hoje: Peixe-boi (Trichechus manatus)



O peixe-boi marinho é um mamífero aquático que pode ser encontrado am águas salgadas (mares e oceanos) ou doces (rios).

Nome Comum: Peixe-boi ou Manati no caso da espécie marinha, vaca-marinha.

Nome científico: Trichechus manatus

Ordem: Sirenia

Família: Trichechidae

Distribuição e Habitat :
Habitam principalmente, as águas do Oceano Atlântico, próximo as costas dos Estados Unidos, México, América Central (ilhas do Caribe) e litoral norte do Brasil. Há também uma espécie de água doce, o peixe-boi da amazónia, encontrado principalmente nas bacias dos rios Amazonas e Orinoco. A Flórida é a localização mais ao norte onde vivem, pois a sua baixa taxa metabólica torna-se difícil no frio e não sobrevivem abaixo dos 15°C.



Identificação:
Possuem um grande corpo arredondado, com aspecto semelhante ao das morsas. O peixe-boi-marinho (Trichechus manatus) pode medir até quatro metros e pesar 800 quilos. enquanto o peixe-boi-da-amazônia (Trichechus inunguis) é menor e atinge 2,5 metros, pode pesar até 300 quilos, tem dentadura reduzida a molares, que se regeneram constantemente. Podem viver até cerca de 50 anos.

Existem três espécies de peixe-boi:
• Peixe-boi-africano (Trichechus senegalensis), vive no Atlântico, habita as águas doces e costeiras do oeste da África,
• Peixe-boi-marinho (Trichechus manatus), também conhecidos como manatis, tem ampla distribuição nas Américas, indo desde o México, os Estados Unidos, vivendo nas ilhas da América Central, na Colômbia, Venezuela, nas Guianas, no Suriname e no Brasil.
• Peixe-boi-da-amazônia (Trichechus inunguis), são animais fluviais e vivem nas bacias dos rios Amazonas e Orinoco.
• Uma quarta espécie, o peixe-boi-anão (T. bernhardi) foi encontrada no Brasil embora alguns puseram em dúvida a sua validade supondo que seja um peixe-boi amazônico imaturo.



Alimentação:
Alimentam-se de algas, aguapés, capins aquáticos entre outras vegetações aquáticas e podem consumir até 10% de seu peso em plantas por dia, podem passar até oito horas alimentando-se e conseguem armazenar até 50 litros de gordura como fonte energética para a época da seca, quando as gramíneas de que se alimenta diminuem de disponibilidade. As nadadeiras, que ainda apresentam resquícios de unhas, ajudam o animal a escavar e arrancar a vegetação aquática enraizada no fundo.



Reprodução:
São animais de hábitos solitários, raramente vistos em grupo fora da época de acasalamento. Possuem uma taxa reprodutiva muito baixa pois a fêmea, tem geralmente um filhote e o período de gestação é bastante longo cerca de treze meses. A mãe amamenta o filhote durante um período entre um e dois anos. Por estas razões, a fêmea tem apenas um filhote a cada quatro anos, pois ela só volta a entrar no cio outra vez, um ano depois de desmamar. Tirando a época em que as mães estão com os seus jovens do sexo masculino ou feminino, os peixes-boi geralmente são criaturas solitárias.



Estatuto de conservação e principais ameaças:
A caça indiscriminada antes da sua proibição, foi um dos principais motivos da sua quase extinção.
Embora os peixes-boi possuam poucos predadores naturais (tubarões, crocodilos, orcas e jacarés), todas as três espécies de peixe-boi estão listadas pela World Conservation Union como vulnerável à extinção. A principal ameaça corrente para os peixes-boi está sendo as colisões com barcos ou com hélices.
Por serem mansos e se aproximarem dos barcos ficam enredados nas redes de pesca e morrem afogados ou nas mãos dos pescadores.
O assoreamento dos estuários onde as fêmeas dão à luz os filhotes é outro motivo para ameaça de extinção desta espécie.

Fontes: Wikipedia; Portlasaofrancisco; www.saudeanimal.com.br/; http://www.worldzootoday.com/; treknature; Enciclopédia a Vida Animal; outros.



“A Terra provê o suficiente para as necessidades de todos os homens, mas não para a voracidade de todos.” (Mahatma Gandi) .

7 comentários:

  1. Olá, Maria

    Fantásticas as surpresas que a Natureza nos reserva.E tanta coisa que desconhecemos ainda. Este peixe-boi é o exemplo disso.Dada a sua fraca reprodução (um filhote a cada 4 anos) é uma espécie que tem de ser bem protegida, como aliás já está sendo.E terá de sê-lo com o contributo de todos quantos navegam por aquelas águas.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  2. Pois é....infelizmente o homem é o maior predador
    à face da Terra....Só quando pouco há a fazer, para remediar o mal que fez....é que se lançam alertas....É um animal pachorrento...nota-se....
    Não se pode ser bom, em ambiente nenhum....
    Bela.....a chamada de atenção...
    Beijo

    ResponderEliminar
  3. A civilização resume-se a uma dádiva da Natureza se não a preservarmos tudo terá sido inútil.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Este seu cantinho, sempre nos enriquecento com tantas belezas que a natureza nos dá. Está lindo este post. beijinhos carinhosos querida e tenha um lindo final de tarde.

    ResponderEliminar
  5. Uma crónica cheia de interesse e bem documentada. Têm um ar calmo e tranquilo...talvez por isso, sejam tão gordinhos!!
    É uma pena quando perdemos um destes seres vivos...ficamos todos muito mais pobres.
    Mil beijos e boa semana.
    Graça

    ResponderEliminar
  6. Alertar é preciso Maria , sempre...
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Amiga Maria.Quem pensa que o planeta está bem se engana,as espécies estão a desaparecer,a natureza cada vez é mais poluída em prol do dinheiro e tanta coisas mais que todos os dias vimos,lemos e ouvimos.Penso que desta vez vou poder comentar e escrever no meu blog,a ver vamos,hoje consegui.
    Beijinho

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.