sexta-feira, 10 de junho de 2011

Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades - Poema de Luís Camões


Hoje 10 de Junho para comemorar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades deixo um poema de Luís Vaz de Camões.



Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança:
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança:
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem (se algum houve) as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía.

Luís Vaz de Camões"


4 comentários:

  1. Neste dia, com alguma amargura, vejo o que Camões viu - "Que não se muda já como soía."

    Bom fim de semana

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Actualíssimo este soneto.....Ou estava muito avançado, ou nós regredimos.....
    Viva Portugal
    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Lindo poema!
    Honrosa homenagem!!!
    Parabéns pela postagem amiga!

    Deixo carinhos mil pra ti, viu?
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Maria,
    Embora com algum atraso não posso deixar de comentar este seu "post" sobre Camões.
    Lembrar Camões é fazer eco do maior poeta português de todos os tempos e de como o seu pensamento continua tão actual.
    Beijinhos.
    Ailime

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.